Adjaratou Sawadogo, a empresária que apostou na hidroponia.

O desafio de obter uma alimentação adequada é tão urgente nas cidades africanas quanto nas suas áreas rurais. O crescimento ─ por necessidade económica das famílias ─ da agricultura urbana acontece em todo o continente.

A hidroponia (cultivos de plantas sem o uso de solo, com as raízes submersas na água) começa a crescer nas cidades africanas e no Burquina Faso, tal como em outros países africanos, face à insegurança alimentar e à falta de terras aráveis ​​nas áreas urbanas, muitos empresários estão-se a voltar para a agricultura sem solo.

Adjaratou Sawadogo é uma delas e fundou uma empresa que também dispensa formação em técnicas e processos de hidroponia.

Agro Bizness Badouha, quinta hidropônica, é especializada no cultivo de frutas e vegetais.

A estrutura também se apresenta como um centro de formação em técnicas agrícolas modernas. A oferta inclui a instalação e manutenção de estufas e sistemas agrícolas de superfície.

A hidroponia não requer solo para o cultivo de plantas e usa menos água e insumos do que a agricultura convencional. Os substratos usados ​​incluem fibras de coco, bolas de argila, cascas de amendoim e cascalho.

Adjaratou Sanogo tornou-se técnica em hidroponia ao perceber que havia escassez de alimentos em certas épocas do ano nos mercados. Aquela que agora é presidente da Associação para a Agricultura Sem Solo de Burquina Faso, é apaixonada por plantas desde a infância.

“Desde pequena adoro ver as plantas crescerem. Quando plantava algo, tinha pressa para ver a planta crescer. É a minha paixão, mas não me envolvi diretamente na área, tomei outro rumo no ramo da restauração. Mas essa estrada trouxe-me de volta à minha paixão “, disse ela ao quotidiano Le Faso.

O Burquina Faso, um país com um clima geralmente quente e seco, que está a recorrer cada vez mais às técnicas agrícolas modernas como resposta aos riscos climáticos, ao declínio da fertilidade do solo e à falta de organização dos setores agrícolas, entre outros.

O cultivo sem solo é adaptado ao clima e a pequenos espaços. Esta é uma excelente forma de obter alimentos frescos a um custo inferior ao do mercado durante todo o ano, para consumo familiar ou para venda. Contribui para o aumento da segurança alimentar e nutricional nas áreas urbanas e rurais.

Para a promotora, a agricultura sem solo é mais lucrativa do que a tradicional praticada pelos agricultores locais.

“Isto dá quatro vezes mais do que a agricultura convencional. Este é o tipo de cultura necessária no Burquina Faso, porque é praticada em todo o lado. Mesmo em casa, basta montar um pequeno espaço. É uma área promissora e muito lucrativa”, acrescentou.

A experiência de Adjaratou Sanogo é muito procurada no Burquina Faso e desperta a admiração dos jovens. Tendo-se tornado uma das especialistas do seu país, a empresária espera expandir o seu projeto por África.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.