África, passar do continente com potencial a um continente eletrificado.

Na COP26 e nos eventos que a rodearam foi mais uma vez dito e redito – o que todos sabemos – de que o continente africano possui os recursos solares mais ricos do mundo devido à sua elevada exposição solar e também beneficia do potencial eólico, duas das maiores bacias hidrográficas do globo e recursos geotérmicos.

A questão é a de se saber quando este enorme potencial de energia renovável de África vai ser uma das alavancas para apoiar o continente a superar os desafios energéticos, logo de desenvolvimento sustentável.

Não podemos deixar de mencionar os progressos que têm sido feitos nos últimos anos, sobretudo em países como a África do Sul, Egito, Marrocos, Ruanda, Gana, Senegal, Etiópia, Quénia, os quais não escondem o facto de cerca de 600 milhões de africanos não terem acesso à eletricidade.

O continente não pode esperar resoluções e compromissos que chegam “a conta-gotas”. É necessário construir novas redes que possam integrar a produção das energias renováveis, construir cada vez mais sistemas fora de rede que possam operar onde a rede existente não chega e contribuir para eletrificar as zonas rurais e remotas de África e fornecer energia aos habitantes das ás zonas rurais para eletrificar habitações, infraestruturas sociais, desenvolver negócios e possibilitar o acesso ao mundo da Internet e os seus benefícios imediatos, tais como a expansão de serviços financeiros inclusivos.

No entanto muito há ainda por fazer, sobretudo para que o setor privado, possa ser o motor de desenvolvimento das energias renováveis.

A perceção, muitas vezes real, dos riscos do retorno investimento ligados aos riscos comerciais afastam os investidores tornando assim o financiamento de projetos de energias renováveis um grande desafio.

Para além da estabilidade e empenho político da liderança os marcos regulamentares e legais devem ser consistentes e combinar soluções inovadoras para atrair os necessários investimentos privados, para que África possa passar de um continente de alto potencial em energias renováveis para um continente que oferece energia limpa, barata e moderna à sua população e às suas empresas.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.