África Subsaariana: Só 34% dos adultos têm conta bancária

A tecnologia tem estado no centro da inclusão financeira em África e está a evoluir muito mais rápido do que se pensava.

As start-ups africanas de tecnologias financeiras as chamadas “fintech” – tal como Mercados Africanos tem vindo a noticiar – tornaram-se o grande “niche” de atração e a pandemia acelerou o ritmo e o “apetite” dos investidores.

Isto significa que África deu grandes passos nos últimos anos em direção à inclusão financeira. A digitalização e a simplificação da gestão do dinheiro provaram ser um veículo robusto para fazer progressos nesse sentido.

Exemplo desse avanço tecnológico e financeiro, o setor de empresas africanas especializadas em soluções tecnológicas associadas a serviços financeiros já mobilizou mais de 1,44 mil milhões de dólares, desde o início deste ano de 2021.

Mas muito mais tem que ser feito, pois apenas 34 por cento dos adultos na África Subsaariana têm uma conta bancária e 350 milhões de pessoas ainda não têm banco.

Mesmo os bancos com sistemas e procedimentos tradicionais e rígidos tiveram que se adaptar e inovar para não ficarem para trás devido à evolução da tecnologia.

Para tal criaram as plataformas para ecossistemas abertos com aplicativos das “fintech” e fornecedores de serviços financeiros online para aumentar o acesso aos serviços bancários e continuarem competitivos face à concorrência das plataformas digitais de pagamento e de transferências.

No entanto, os esforços de inclusão nos serviços financeiros tradicionais (bancos e microcrédito) continua a não captar a maior parte dos mercados disponíveis, daí a urgência de um aparato legislativo que agilize as soluções digitais de pagamento, especialmente nas grandes economias africanas, através do serviço “Mobile Money”, via telemóvel.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.