Amílcar Cabral foi assassinado há 49 anos.

Quarenta e nove anos passaram nesta quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022, do assassínio de Amílcar Cabral o poeta, agrónomo, pensador, dirigente politico e estratega militar, que mudou diretamente a história moderna da Guiné-Bissau e Cabo Verde e indiretamente a do Império Colonial Português.

Para muitos historiadores e sociólogos que acompanharam e estudaram as lutas de Libertação em África, mas não só, Cabral foi um dos mais brilhantes e criativos de todos os dirigentes da luta de libertação dos povos africanos colonizados por Portugal.

 

O assassinato

As circunstâncias da morte de Amílcar Cabral ficarão provavelmente, para sempre, por esclarecer, considerando que a grande maioria dos poucos que na realidade conheciam “por dentro” todos os contornos do seu assassinato, já faleceram.

Quanto à “orquestração” do seu assassinato, entre a PIDE – a polícia política portuguesa de então – as fricções de Cabral com Sekou Touré, o primeiro presidente da Guine-Conacri e sobretudo as divergências internas no PAIGC, há várias opções e teorias

O que é certo é que foram dois companheiros de luta de Cabral, liderados por Inocêncio Kani, que dispararam sobre o líder do PAIGC em Conacri – à frente da sua mulher, Ana Maria – que como habitualmente não estava armado.

Segundo parece a pistola tinha ficado no porta luvas do velho Volkswagen em que se deslocava quando estava em Conacri.

Para além do mais, diz-se, que naquela noite tinha havido uma mudança nos guarda-costas e Cabral estava sem segurança.

O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) foi criado por Amílcar Cabral e outros, a 19 de Setembro de 1956, em Bissau e começou por agir na clandestinidade, com o propósito de terminar a colonização nos dois territórios, então, sob dominação colonial.

 

O massacre de Pidjiquiti

Um facto acelerou a decisão de encetar a via da Luta armada.

Em Agosto de 1959, a repressão violenta dos trabalhadores do porto de Bissau, o chamado massacre do Pidjiguiti pela PIDE, no qual foram assassinados dezenas de – em greve para exigir melhores salários – foi decisivo na opção da luta armada.

Durante os anos de clandestinidade e antes do início da Luta Armada, Amílcar Cabral quis encetar conversações com o governo de Salazar, através da ONU.

As propostas ficaram sem resposta por parte do chefe de governo de Portugal, de então.

Sem respostas por parte de Portugal, com as independências a acelerarem-se nas colónias francesas e britânicas, a 23 de Janeiro de 1963, inicia-se a luta armada de libertação nacional.

Em abril de 1972 uma missão das Nações Unidas realiza uma visita às regiões libertadas o que contribui para o reconhecimento internacional do PAIGC como representante legítimo do povo da Guiné-Bissau e Cabo Verde.

Em Janeiro de 1973, quando Cabral foi assassinado, as tropas coloniais portuguesas sofriam revezes sucessivos nos combates que se prosseguiam.

Meses depois em setembro de 1973 a Guiné-Bissau proclama, unilateralmente a sua independência de Portugal.

 

O 25 de Abril de 1974

Finalmente, com a guerra colonial perdida na Guiné-Bissau, o exército português derruba o regime salazarista e dá-se o 25 de Abril de 1974.

No seguimento, Portugal reconhece a Independência da Guiné-Bissau assim como o direito à Independência de todas as outras colónias.

Cabral, já não presenciou o 25 de Abril de 1974, mas para quem sempre considerou que o inimigo não era o povo português, antes pelo contrário, o aliado principal do povo da Guiné e de Cabo Verde e que a luta anticolonialista também libertava o colonizador, pode-se dizer que a Revolução dos Cravos, muito deve a Amílcar Cabral.

Sobre o caminho percorrido nestes 49 anos pelos dois países que se reclamam de Cabral, seguramente que outros farão a análise no dia de hoje.

Para terminar queremos recordar uma frase de Cabral que continua de grande atualidade:

“Se a independência não se traduzir no bem-estar do povo, então as palavras foram vãs”.

 

O que pensas de Amílcar Cabral? O seu sacrifício terá sido em vão ou valeu a pena? Queremos a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”

 

Veja Também:

Guiné-Bissau: Madina de Boé, 24 de Setembro de 1973

close

VAMOS MANTER-NOS EM CONTACTO!

Gostaríamos de lhe enviar as nossas últimas notícias e ofertas 😎

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.