Angola/TotalEnergies, mais 40 mil barris petróleo/dia.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG) e a TotalEnergies E&P Angola anunciaram, nesta quinta-feira 2 dezembro 2021, o arranque da Fase 2 do projeto Cravo, Lírio, Orquídea e Violeta (CLOV), operado pela petrolífera francesa no Bloco 17, o que inclui a perfuração de sete poços, dos quais se espera uma produção de 40 mil barris de petróleo por dia (bpd).

Segundo o Jornal de Angola, o presidente do Conselho de Administração da ANPG em Exercício, Belarmino Chitangueleca, é citado no documento a afirmar que “o arranque da Fase 2 do CLOV chega no momento certo e com o objetivo certo, uma vez que Angola precisa de atenuar o declínio da sua produção petrolífera e de trabalhar para a aumentar num futuro próximo”.

E acrescentou que “projetos como este são igualmente importantes porque enfatizam o compromisso dos grupos empreiteiros com Angola, país que os acolhe e respeita desde sempre”, cujos interesses e investimento não se viram abalados “nem com a crise provocada a nível mundial pela Covid-19”.

O presidente da TotalEnergies Exploração e Produção declarou, citado no documento, que “o arranque do projeto CLOV Fase 2, alguns meses após o Zinia Fase 2, é prova dos esforços da TotalEnergies para assegurar uma produção sustentável no Bloco 17, estando de acordo com a nossa estratégia de concentrarmos os investimentos em projetos de baixo custo e que contribuam para baixar a intensidade média das emissões de GEE da nossa produção”.

Em Maio de 2021, a ANPG e a TotalEnergies já tinham anunciado as operações que, em meados de 2022, elevarão a produção do Bloco 17 em 40 mil barris por dia (bdp), passando para 420 mil barris por dia com o arranque do poço Zinia Fase 2, ligado à FPSO Pazflor.

Naquela altura, concessionária e operadora apresentaram o Zinia Fase 2 como parte de um projeto de perfuração de nove poços, estando localizado em águas profundas de 600 a 1200 metros e a cerca de 150 quilómetros da costa marítima angolana, com recursos estimados em 65 milhões de barris de petróleo.

O que pensas sobre isto? O povo angolano irá beneficiar alguma coisa? Dá-nos a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo dá um “like (gosto)”.

Ver Também: Há cada vez mais investimentos em energias renováveis

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.