App facilita procura de insumos agrícolas.

O empresário Abrhame Endrias desenvolveu uma app que atua como intermediária entre fornecedores e produtores. Essa ideia, surgiu-lhe ao perceber que no continente africano, em geral, os agricultores muitas vezes têm dificuldade em aceder a sementes e fertilizantes, especialmente nas áreas rurais e a Etiópia não é exceção.

Começou, então, a trabalhar com o Ministério da Agricultura para testar a viabilidade da sua app como um balcão único.

Rapidamente notou que esta solução tecnológica enfrentava um desafio importante: o da pouca conectividade.

Devido à baixa penetração dos “smartfones” e à falta de conhecimento tecnológico no meio rural, a app não podia ser o único canal de comunicação.

Green Agro Solutions, uma start-up em evolução no campo da agricultura conectada, fornece um serviço digital para pequenos agricultores e permite que eles se abasteçam, contratem serviços de mecanização e procurem aconselhamento sobre agro-clima através das novas tecnologias.

A plataforma chamada Lersha combina aplicativos móveis, “call center” e agentes de campo para facilitar as transações.

Cada agricultor registado tem acesso automático a uma carteira eletrónica fornecida por um dos bancos com os quais Lersha trabalha. Os seus clientes incluem fornecedores de insumos, serviços de mecanização, material agrícola e consultoria agro-climática. A start-up recebe uma comissão de 5 sobre as operações.

Abrhame Endrias que concebeu a “app”, percebeu rapidamente que a agricultura na Etiópia é um setor difícil.

“Não consegui as sementes, fertilizantes, ou serviços de mecanização que precisava e, com a flutuação de preços, a minha experiência de dois anos no cultivo de hortaliças terminou abruptamente em falência em 2013”.

Disse ele ao magazine online How We Made It In Africa.

Para uma melhor distribuição de insumos e serviços de consultoria, o governo etíope designou mais de 64.000 agentes para diferentes constituintes em todo o país.

No entanto, Abrhame Endrias descobriu, após uma pesquisa de mercado, que esses agentes têm dificuldades para atender a todos os pequenos produtores em todas as regiões sem uma plataforma de suporte digital.

Começou, então, a trabalhar com o Ministério da Agricultura para testar a viabilidade da sua app como um balcão único.

Rapidamente notou que esta solução tecnológica enfrentava um desafio importante: o da pouca conectividade.

Devido à baixa penetração dos “smartfones” e à falta de conhecimento tecnológico no meio rural, a app não podia ser o único canal de comunicação.

A start-up, portanto, disponibilizou um “call center” e funções de SMS para os agricultores. Também treinou agentes entre jovens em busca de emprego que viajam para as comunidades e ajudam os agricultores a aceder aos serviços, registá-los e facilitar as transações.

A Green Agro Solutions e a sua plataforma Lersha têm 35 funcionários diretos. Até o momento, mais de 42.000 agricultores foram registados e 88 agentes foram recrutados, integrados e treinados em 11 distritos.

Foram integrados 172 prestadores de serviços de mecanização, sejam eles indivíduos, sindicatos de agricultores ou cooperativas que possuem tratores, máquinas para as colheitas e outros equipamentos agrícolas disponíveis para locação.

A start-up também deu acesso à plataforma a 1.310 agentes do governo.

Lersha tem grandes planos de crescimento e metas ambiciosas para os próximos 4 anos.

Até 2025, a start-up quer ter uma rede de 4.500 agentes, atendendo 4,5 milhões de pequenos agricultores em 9 regiões do país.

Com estas previsões, o fundador estima que a sua empresa terá uma receita de 500 milhões de Birr (moeda etíope), ou seja, 11 milhões de dólares.

 

O que achas disto? Esta app vai ajudar os agricultores ou vai confundi-los? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

Imagem: © 2021 photaki.com / Francisco Lopes-Santos
pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.