Em noticia divulgada pela Lusa, o Centro Turístico “Little África Maio” – Residencial, Cultural e de Negócios vai ser implementado na ilha do Maio, tendo como objetivo a promoção e aceleração do desenvolvimento da economia cabo-verdiana. O complexo turístico, a ser construído em três fases, tem um investimento global de 500 milhões de euros e prevê a criação mais de dois mil postos de trabalho diretos durante a construção e mais de 4.000 empregos quando começar a funcionar. O complexo vai ser gerido e explorado por uma nova empresa, denominada “Little Africa Services” (LAS).

Com previsão para a primeira fase estar operacional dentro de três anos, a infraestrutura turística incluirá também um complexo turístico, denominado “Little África Resorts”, numa área residencial, que incluirá vivendas para cidadãos internacionais de elevado poder de compra.

O centro turístico é promovido por um grupo de empresários hoteleiros, representado pelo espanhol Enrique Banuelos de Castro, que é sócio gerente da IHCV, que disse que as obras deverão arrancar nos próximos meses.

Na minuta de estabelecimento, publicado em Boletim Oficial, o Governo cabo-verdiano declarou o projeto de “interesse excecional” e de “enorme interesse nacional”, referindo que vai dotar a ilha de “infraestruturas de primeiro nível, edificadas em conformidade com parâmetros ambientais e de sustentabilidade definidos nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas”.

“O Governo entende declarar o projeto de investimento como de interesse excecional no quadro da estratégia de desenvolvimento nacional, tendo em conta a sua dimensão e natureza e as implicações económicas e sociais que  representa, designadamente o volume de investimento, a criação de empregos e de riqueza, assim como a criação de condições para um desenvolvimento sustentado do turismo nacional”, lê-se no documento.

O projeto vai permitir ao Estado aumentar a sua arrecadação de receitas, com os impostos de renda e as prestações dos trabalhadores à segurança social, para serem investidos posteriormente em outras áreas.

Além da área de entretenimento, considerada a “âncora do projeto”, o complexo ainda terá museus e salas de exposições de países africanos, teatro, casino, lojas, centro de congressos/exibições e negócios, centro internacional de negócios, hospital, colégio internacional e habitações para os executivos, quadros e outros trabalhadores.

O centro será igualmente um destino internacional para quem quer conhecer África a partir da ilha do Maio, com museus e representação de cada país africano, com a sua gastronomia, cultura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.