O Governo cabo-verdiano incluiu quase 12.000 trabalhadores do setor do turismo e 1.500 dos aeroportos entre os que primeiro vão receber a vacina contra a covid-19, já este ano, no país, juntamente com os profissionais de saúde e de segurança.

O objetivo é dar um sinal de confiança ao turismo, setor que garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, mas que a pandemia deixou paralisado no último ano.

Segundo o plano nacional de introdução e vacinação contra a covid-19 em Cabo Verde, a que o Mercados Africanos teve acesso, o Governo prevê vacinar este ano 111.372 pessoas de grupos prioritários, equivalente a 20% da população.

“A vacina será gratuita para todas as pessoas que serão contempladas, conforme a política de vacinação de Cabo Verde”, define o documento, aprovado em Conselho de Ministros em 11 de fevereiro.

O plano propriamente dito – que não concretiza informação sobre a origem dos fornecimentos da vacina, apenas que será através da plataforma internacional COVAX – vai custar quase 2,5 milhões de dólares, e as vacinas perto de cinco milhões de dólares, neste caso com financiamento do Banco Mundial.

Contudo, só em 2023 é Cabo Verde terá uma taxa de cobertura de 60%, segundo o plano nacional de vacinação. Dentro do grupo prioritário de vacinação que vai cobrir 20% da população, o plano estima vacinar este ano 4.272 profissionais de saúde, 24.500 doentes crónicos (hipertensão arterial e diabetes), 40.000 idosos (com 60 ou mais anos), 11.280 profissionais hoteleiros ou ligados ao turismo, 1.500 profissionais dos pontos de entrada internacionais, 20.000 professores e de apoio ao funcionamento das escolas, 7.000 agentes da Polícia Nacional, 2.500 militares e 320 elementos do Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros.

Vacinar os trabalhadores ligados ao setor do turismo já na primeira fase tinha sido uma hipótese admitida em janeiro pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia: “Temos um plano de vacinação em curso, que, numa primeira fase, vai beneficiar e priorizar cerca de dez mil funcionários que estão na área do turismo, precisamente para protegermos os turistas da infeção”, disse Olavo Correia, durante um encontro com os empresários na ilha do Sal, precisamente a mais turística do arquipélago.

Para este processo, Cabo Verde pretende tirar partido da experiência adquirida ao longo dos anos com o plano anual de vacinação e contará com um ponto de armazenamento nacional do ‘stock’ trimestral das vacinas contra a covid-19, que chegarão ao país através do aeroporto da Praia, ilha de Santiago, seguindo para distribuição pelo arquipélago por via aérea na generalidade dos casos, ou via marítima para viagens de até uma hora.

Além disso, o plano prevê que em todos os 32 centros de saúde do país – as vacinas serão administradas em todas as unidades do sistema nacional de saúde – existe capacidade para armazenar o ‘stock’ mensal e de segurança, de acordo com a demanda de cada estrutura.

O plano envolverá ainda a emissão de um certificado e de um cartão individual após a administração da vacina: Através da emissão de um certificado e cartão vacinação individual, impresso “imediatamente após o registo da administração da vacina”, pelo envio de certificado digital de vacinação por correio eletrónico ou ainda pelo portal www.covid-19.cv

Flickr ©

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.