Camarões vai eletrificar 687 aldeias.

As regiões mais carentes dos Camarões, vão beneficiar de um programa que espera tirar 2 milhões de pessoas da pobreza energética.

Aprovado em Dezembro de 2018, o Projeto de Eletrificação Rural e Acesso à Energia em Áreas Desfavorecidas nos Camarões deve começar este ano de 2022, segundo o ministro da Água e Energia, Gaston Eloundou Essomba.

“2022 é um ano fulcral que corresponde à revisão intercalar do projeto, mas também ao início efetivo da fase piloto de construção de ligações através do fundo rotativo que abrangerá as zonas periurbanas e urbanas, operação que em última análise, visa a realização de 163.000 conexões sociais em parceria com a Eneo”

Declarou, nesta segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022, em Yaoundé, o governante camaronês.

Este projeto visa eletrificar 687 aldeias do Norte, Sudoeste e Noroeste do país.

Segundo o ministro, o corrente ano vai assistir ao pagamento de indemnizações e ao início efetivo das obras de eletrificação rural, nomeadamente nas regiões.

Este programa é o resultado da cooperação entre o Camarões e os seus parceiros técnicos e financeiros.

O projeto já recebeu financiamento do Banco Mundial, no valor aproximado de 85 mil milhões de FCFA, tendo em vista a eletrificação de cerca de 417 localidades das 687 aldeias visadas e a construção de cerca de 120.000 ligações até 2025.

No entanto ainda estão em curso discussões com o Banco Europeu de Investimento (BEI) para concluir o financiamento dedicado a obras de eletrificação rural e à construção de cerca de 100.000 ligações, até cerca de 39 mil milhões de FCFA.

A União Europeia (UE) já mobilizou uma subvenção de 10,6 mil milhões de FCFA para completar o financiamento do BEI.

 

O que achas da má eletrificação de África? O que pode ser feito para melhorar a situação? Queremos a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”

close
pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.