Chade, Etiópia e Zâmbia na mira do FMI.

O FMI aguarda o acordo dos credores, sobre as dívidas do Chade, Etiópia e da Zâmbia, para tomar uma posição sobre um eventual desbloqueio do financiamento a estes países.

 

As negociações

A gigante suíça das minas, a Glencore, é o maior credor de Ndjamena com um empréstimo de US$ 1 bilhão em dinheiro para o país. Os pré-requisitos também são necessários para a Zâmbia, uma vez que a nação da África Austral deseja desbloquear o financiamento do FMI. Mais uma vez, a comissão de credores de Lusaka concordou.

“Se os credores oficiais conseguirem fornecer as garantias de financiamento à Zâmbia nas próximas semanas, podemos levar isso ao nosso Conselho para a consideração de um programa”.

“Isso poderá acontecer logo após o recesso do nosso Conselho, que acontecerá nas primeiras semanas de Agosto”.

Disse o porta-voz do FMI, Gerry Rice.

As negociações entre o Chade e o Fundo Monetário Internacional progrediram. Isso é o que o porta-voz do FMI, Gerry Rice, disse numa conferencia de imprensa.

O país do Sahel busca aceder ao quadro comum do G20. Mas para se beneficiar da iniciativa que apoia os países de baixo rendimento, com dívidas insustentáveis, o Chade precisa de um acordo de dívida entre os credores.

“Precisamos de garantias de financiamento e precisamos de garantias sobre a sustentabilidade da dívida”, afirmou Rice.

“Portanto, o Comitê de Credores do Chade espera continuar as reuniões. Isso é essencial”.

“Mais uma vez, achamos que tem de ser alcançado, prontamente, um acordo entre todos os credores, incluindo com a Glencore”, continuou.

 

O desafio da dívida

Segundo a chefe do FMI, Kristalina Georgieva, um dos desafios que o mundo enfrenta actualmente é a reestruturação das suas dívidas. A Etiópia não é excepção, e está em vias de reestruturar a sua dívida. Isso, foi confirmada em uma reunião da comissão de credores.

“Sobre a Etiópia, congratulamo-nos com a formação do Comité de Credores sob esta estrutura comum do G20”.

“E temos estado e continuaremos a trabalhar em estreita colaboração para fornecer o apoio técnico necessário ao trabalho dessa Comissão de Credores para a Etiópia”.

“Especificamente, vamo-nos reunir com a Comissão de Credores para a Etiópia, na semana de 18 de Julho”.

“1/3 dos mercados emergentes e economias em desenvolvimento estão endividados”.

“Os países africanos enfrentam uma inflação cada vez maior, devido aos efeitos da pandemia. Além disso, Adis Abeba enfrenta o conflito na região de Tigray”.

Disse o porta-voz do FMI, Gerry Rice.

 

O que achas desta posição do FMI? É correcto, alguns países reestruturarem a divida e outros pagarem tudo na totalidade? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também

FMI: O impacto da guerra na economia africana

Imagem: © 2022 Francisco Lopes-Santos

    No feed items found.

close

VAMOS MANTER-NOS EM CONTACTO!

Gostaríamos de lhe enviar as nossas últimas notícias e ofertas 😎

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.