Conheça o Povo San do Kalahari.

Conhece os San? Não? Então vai ficar a conhecer.

África é um dos continentes ainda com alguns povos que mantêm as suas culturas intactas ou quase.

Apresentamos numa série de vários artigos alguns desses povos (mas muito poucos) de África que conseguiram preservar as suas culturas intactas durante séculos.

Em áreas remotas e planícies ricas do continente, existem grupos de pessoas que continuam a viver pacificamente, sem depender de nenhuma das invenções que o mundo moderno tanto valoriza.

Trazemos aos nossos leitores algumas dessas comunidades cujas tradições, costumes e modo de vida têm resistido surpreendentemente ao teste do tempo e à força arrebatadora da modernização.

Embora discutível para uns, não podemos deixar de reconhecer a coragem dos que continuam a viver da maneira que os seus antepassados viveram há gerações.

 

Os San

Os San, cujo nome significa, aqueles que recolhem alimentos, são a tribo mais antiga de todo o Continente Africano, foram apelidados pelos colonizadores europeus, como “bushmen”, em português traduzido para “bosquímanos” ou “homens do mato”.

Diz a lenda que, quando foram expulsos dos seus territórios ancestrais, lançaram uma maldição nas terras entre os rios Zambeze e Limpopo (actual Zimbabwe). Juraram que outros podiam ali viver, mas nenhum outro iria conseguir controlar a região e não haveria paz.

Em tempos idos, este povo dominou toda a região da África Austral, mas aos poucos ,este povo de caçadores-recolectores, foram sendo empurrados para as areias do deserto do Kalahari, onde vivem presentemente. Primeiro pelas tribos bantu que na sua expansão em África, os rechaçaram mais para o sul dos seus territórios e depois os fazendeiros europeus.

 

A dança da cura

Os San têm um sistema próprio de crenças, uma língua única, baseada em estalidos feitos com a boca e até mesmo uma dança típica, a “dança da cura”.

Esta dança é o elemento mais misterioso dos San. É um ritual em que entram num estado de consciência alterada que é atingido durante a dança rítmica em conjunto com a hiperventilação da respiração. Durante as danças, que podem durar toda a noite, os San acreditam ficar imbuídos da potência animal e têm acesso ao reino espiritual onde podem entrar em contato com Deus, lutar contra espíritos malignos, ganhar poderes de cura e ter visões.

A combinação dos movimentos de dança repetitivos misturados com o canto, palmas e tambores, ajuda a liberar o n|om (força vital) nos homens que dança ao redor do círculo na base de sua coluna vertebral. Quando o  n|om é ativado desta maneira, a energia move-se dentro deles, o que promove a autocura e dá-lhes o poder de ajudar a curar os outros.

É esta energia espiritual que permite aos curandeiros superdotados “ver” as doenças e usarem a técnica da imposição das mãos, para afastar fisicamente as enfermidades e não só, pois também pode ser usada para curar aspectos negativos da comunidade, como a raiva e os conflitos.

 

Ancestralidade

Os San são um dos catorzes povos ainda existentes da chamada “população ancestral” , a partir da qual todos os seres humanos modernos conhecidos descendem.

Oriundos de uma sociedade de partilha, onde a competição e a inveja não têm lugar, os San vivem em pequenos grupos familiares e não têm um líder. Segundo alguns eruditos, são a mais velha cultura do mundo e teriam sido eles que há milhares de anos pintaram as cavernas de África.

 

O que pensas sobre isto, é interessante, não é? Já tinha ouvido falar dos San? Dá-nos a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Veja Também:

Conheça os Tuaregues, guerreiros do Saara

Conheça os Wodaabe do Níger e Chade

Conheça os Massai do Quénia

Conheça os Pigmeus da África Central

Conheça o Povo Dogon do Mali

Conheça o Povo Turkana do Quénia

Conheça o Povo Himba da Namíbia

close

VAMOS MANTER-NOS EM CONTACTO!

Gostaríamos de lhe enviar as nossas últimas notícias e ofertas 😎

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.