Após investimentos contínuos para elevar o nível dos centros de saúde públicos do país, o governo da Costa do Marfim agora quer apoiar o setor médico privado.

A Costa do Marfim obteve um financiamento de 300 milhões da Sociedade Financeira Internacional (IFC na sigla em Inglês) para desenvolver o setor médico do país.

O acordo foi assinado na sexta-feira, dia 16 de julho 2021, pelo governo e pela IFC que pertence ao Grupo Banco Mundial.

Os fundos serão desembolsados ​​no âmbito do programa Acesso a Equipamentos Médicos em África (AMEF) da IFC.

Serão utilizados para apoiar o desenvolvimento de agentes privados no setor médico da Costa do Marfim, em particular através do financiamento de pequenas e médias empresas (PME) que operam neste domínio.

Para o governo da Costa do Marfim, o objetivo pretendido é fazer do país um verdadeiro centro médico na África Ocidental, contando com o setor privado.

“O nosso objetivo é fazer com que o setor privado cresça e cresça muito rápido. Um dos eixos fortes do projeto social que temos é garantir que os marfinenses que se comprometeram, que criaram clínicas, tenham a possibilidade de se deslocarem das clínicas aos hospitais, aos hospitais sub-regionais para que a Costa do Marfim se torne um destino de turismo hospitalar, um centro médico”, disse o primeiro-ministro da Costa do Marfim, Patrick Achi.

Com isso em mente, está previsto que as empresas médicas da Costa do Marfim do setor privado possam obter equipamentos das empresas americanas General Electric e da holandesa Philips.

O objetivo é permitir que as clínicas obtenham os seus equipamentos com baixo custo e com acesso mais fácil às peças sobresselentes.

Recorde-se que esta estratégia soma-se à de desenvolvimento do setor público de saúde implementada pelo governo.

Em 2019, as autoridades anunciaram que queriam mobilizar 2,9 mil milhões de dólares para investimentos no setor de saúde no período 2020-2024, através de sete pilares, a saber: saúde comunitária; a qualidade da atenção primária à saúde; recursos humanos; sistemas de informação em saúde; cadeia de abastecimentos; integração do setor privado; e as principais reformas de financiamento da saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.