Costa do Marfim, mais 73 milhões de euros em emissão de títulos.

O Estado da Costa do Marfim, através da Direcção-Geral do Tesouro e Contas Públicas, angariou nesta terça-feira, 26 de outubro de 2021, no mercado financeiro da União Monetária da África Ocidental (UMOA) o montante de 49 mil milhões de FCFA (73,500 milhões de euros) no fim da emissão de Obrigações de Apoio e Resiliência de 364 dias organizada em parceria com a Agência UMOA-Titres (Títulos) com sede em Dacar.

Segundo informação a que teve acesso Mercados Africanos, a emissão lançada pela agência UMOA-Titres em colaboração com o Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), visa permitir ao emitente mobilizar as poupanças de pessoas singulares e coletivas com o objetivo de financiar o orçamento do estado como parte dos planos de recuperação económica.

Esta emissão estava aberta a investidores socialmente responsáveis, mas também empresas ou indivíduos que desejam apoiar as ações de recuperação económica iniciadas pelos Estados da União Económica e Monetária da África Ocidental (UEMOA).

A agência UMOA-Titres listou 109,978 mil milhões de FCFA em ofertas globais de investidores para o montante colocado em leilão pelo emissor de 45 mil milhões de FCFA o que deu uma taxa de cobertura do montante posto a leilão de 244,40%.

Do montante global proposto pelos investidores, o Tesouro Público da Costa do Marfim reteve 49 mil milhões de FCFA e rejeitou os restantes 60,97 mil milhões de FCFA, ou seja, uma taxa de absorção de 44,55%.

O reembolso do capital será feito no primeiro dia útil após a data de vencimento fixada a 25 de outubro 2022.

O rendimento médio ponderado foi de 2,72%.

A taxa média ponderada e a taxa marginal foram, respetivamente, 2,65% e 2,69%.

Recorde-se que tal como Mercados Africanos tinha noticiado recentemente a 9 de setembro, 24 de agosto, 6 de julho, 8, 15 e 26 de junho 2021, a Costa do Marfim já tinha angariado, cumulativamente, quase 500 milhões de euros também através do mesmo tipo de emissão.

A Agência UMOA-Titres (“AUT”) apoia os Estados-Membros, incluindo a Guiné-Bissau, a obter nos mercados de capitais os recursos necessários para financiar as suas políticas de desenvolvimento económico, a custos controlados.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.