O BRICS, grupo composto pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, deve renovar a sua estratégia económica até 2025 para acelerar a recuperação a seguir à pandemia disse o presidente sul-africano, Ramaphosa, na abertura da décima segunda cimeira do grupo, este ano realizada por videoconferência.

O também presidente em exercício da União Africana, acrescentou que o grupo BRICS partilha a intenção de conseguir um desenvolvimento estável e “criar oportunidades para todos, acelerar a recuperação económica e fortalecer as relações comerciais e de investimento nestes países”.

Ramaphosa considerou que a pandemia “deixou expostas” as “vulnerabilidades”, particularmente a “dependência excessiva de cadeias de abastecimento de produtos alimentares e farmacêuticos fundamentais”.

Na intervenção, o Presidente sul-africano defendeu um aumento dos investimentos “não só na África do Sul, mas também em todos os países do continente africano, especialmente no setor do processamento”, assegurando que os investidores terão “um grande lucro”.

A pandemia de covid-19, continuou, “mostrou a necessidade de fortalecer o sistema multilateral que permite que todos defendam os seus interesses”.

“Desde a sua criação, os BRICS são a confirmação da força da solidariedade, razão pela qual nestes momentos difíceis a nossa associação continua forte e continua a trabalhar pela paz, segurança e desenvolvimento da Humanidade”, concluiu.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.