No Dia da Terra, fechem a torneira do plástico.

Hoje é o Dia da Terra. Na imagem do nosso artigo, está uma obra de arte do artista ambientalista canadiano Benjamin von Wong que evoca o desperdício de plástico e os riscos para o ambiente desse abuso.

Esta obra de arte foi feita a partir de plástico encontrado nos bairros de lata de Kibera, em Nairobi, a obra de nove metros de altura, tem o nome sugestivo “Desliga a Torneira do Plástico” e esteve patente durante a 5ª Assembleia Ambiental das Nações Unidas, em Fevereiro de 2022, na sede do Programa Ambiental das Nações Unidas, na capital do Quénia.

Mas para que falar do planeta Terra, quando as atenções do mundo estão viradas para a guerra da Ucrânia? A resposta é simples. Tal como já alertamos aqui num artigo anterior, estamos à beira do desastre climático e o ponto de não retorno para o fim da humanidade está já ao virar da esquina.

É por essa razão, que, ara nós, esta crise climática é muito mais importante que uma “escaramuça” entre ditadores de polichinelo num canto remoto da europa… à medida que a crise climática se torna mais séria e preocupante, cada Dia da Terra adquire mais significado.

Criado em 1970 nos Estados Unidos da América, o evento anual, reúne milhões de pessoas por todo o mundo em prol do meio ambiente, destacando a importância de ações urgentes necessárias para salvar o planeta.

Este Dia da Terra de 2022 ocorre do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), ter sido publicado, lançando “um código vermelho para a humanidade”, com cientistas a alertar para o facto de as temperaturas estarem a subir além de 2°C em comparação com os níveis pré-industriais deste século, um cenário que terá efeitos catastróficos em todo o mundo.

Ao mesmo tempo, houve grande decepção com a assinatura do acordo na COP26 em Novembro de 2021, mostrando a magnitude do desafio que enfrentamos.

Kathleen Rogers, presidente da Earthday.org, afirmou:

“As origens e a história do Dia da Terra foram sobre motivar as pessoas a motivar os seus governos a mobilizarem-se em torno do ambiente”.

“Em 2022, temos um acordo climático ineficaz e há governos a voltar atrás nos seus compromissos. Esta data é uma oportunidade para pressionar, mais uma vez, os governos a fazerem algo sobre o clima”.

 

O Dia da Terra

O Dia da Terra é celebrado anualmente no dia 22 de Abril e o mês de abril é considerado o Mês da Terra, este é um período em que as questões ambientais devem ser destacadas.

Celebrado por milhões de pessoas em todo o mundo, o Dia da Terra é um evento anual projetado para esclarecer questões sérias sobre o meio ambiente e revelar problemas enfrentados pela humanidade, desde a crise climática até a poluição do ar e o desmatamento.

O Dia da Terra original foi fundado pelo senador e ambientalista americano Gaylord Nelson em 1970 para destacar a importância do ar e da água limpos após um derrame de petróleo em 1969 em Santa Bárbara, Califórnia.

O primeiro evento viu uns impressionantes 20 milhões de pessoas nas ruas dos EUA – cerca de 10% da população do país na altura.

O Dia da Terra transformou-se em evento e comemoração internacional em 1990, quando ativistas ambientais pediram a um dos organizadores originais, Denis Hayes, para ajudar a criar outro evento para destacar os desafios ecológicos que nosso planeta enfrenta, passando a partir dessa data, a haver um tema específico para cada comemoração.

 

O tema deste ano

O tema do Dia da Terra de 2022 é “Investir no nosso planeta” – um apelo aos governos, empresas e indivíduos para investir em um futuro melhor para o planeta.

Segundo Kathleen Rogers presidente da Earthday.org:

“Os governos podem aprovar leis e promover uma economia verde. Precisamos investir em inovadores e inovações, mas, acima de tudo, precisamos fazer isso em condições”.

“Para os indivíduos, trata-se de seu tempo pessoal, seu voto político, sua participação na comunidade e investir seu dinheiro de maneira ecologicamente responsável”.

Este ano, há também um foco particular na sustentabilidade na indústria da moda. Earthday.org lançou uma petição para encorajar mudanças na indústria, bem como promover legislações que imponham as ações necessárias.

 

Todos nós, podemos participar

Os organizadores do Dia da Terra produziram um kit de ferramentas útil para ajudar as partes interessadas a envolverem-se, incluindo campanhas para apoiar os acordos de limitação do plástico e para o fim do desmatamento.

Há também milhares de eventos a acontecer há volta do mundo, desde o plantio de árvores até os esforços de limpeza de terras e praias, pode encontrá-los neste mapa. E, se não houver nada a acontecer na sua região, por que não organizar algo?

Temos também que “pensar em grande” e começar a agir como se todos os dias fossem o Dia da Terra, pequenas coisas, como deixar de usar sacos de plástico, optar por usar recipientes de vidro, reutilizar roupas e brinquedos, poupar a água, usando-a apenas no restritamente necessário…

Enfim, existem uma miríade de formas que nós, “meros mortais” podemos fazer no dia a dia para impedir o genocídio da humanidade, às nossas próprias mãos.

 

Conclusão

Viver diariamente o Dia da Terra e salvar o planeta é fácil, apenas temos que passar a viver de forma mais sustentável, incluindo ser mais consciente sobre o que vestimos, compramos e comemos, tal como, comer menos carne, peixe e laticínios e, obviamente, sem excessos.

Mas acima de tudo, temos que mudar para energias renováveis, utilizar os carros de combustão interna (gasóleo e gasolina) apenas para efectuar viagens estritamente necessárias e, se possível, evitar utilizar aviões em viagens de longo curso

Também podemos aderir a grupos ecologistas locais e, muito importante, participar de campanhas que levem os políticos a criarem e a implementarem leis mais restritivas para proteger o meio ambiente.

 

O que achas do Dia da Terra? O que pensas fazer para salvar o planeta? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

Imagem: © 2021 Von Wong Production

  • Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos. neste momento exerce as funções de Chefe de Redação da Mercados Africanos.

close
pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.