Egito vai exportar gás para o Líbano

O Líbano não produz hidrocarbonetos e enfrenta uma grande crise energética. Face a esta crise de energia que atinge o Líbano, um roteiro foi recentemente traçado entre vários estados do Oriente Médio, incluindo o Egito, para implementar nas próximas semanas uma estratégia de apoio ao país do cedro.

Nest quarta-feira, 8 de setembro 2021, o ministro egípcio do Petróleo, Tarek El-Molla, e os seus homólogos jordanianos e sírios chegaram a um acordo em Amã, capital da Jordânia, para fornecer gás natural do Egito ao Líbano.

Esta decisão surge num contexto em que o Líbano enfrenta uma crise económica devastadora marcada por escassez crónica de combustível e eletricidade, uma forte alta nos preços dos derivados devido ao colapso da moeda local (libra libanesa) e à falta de divisas necessário para as importações.

“O Egito está a trabalhar para acelerar a coordenação da entrega de gás natural egípcio ao Líbano via Jordânia e Síria, dado o desejo do país de aliviar a carga sobre o povo libanês e ajudar no apoio e estabilidade do Líbano”, disse Tarek El-Molla.

Em detalhe, o gás será transportado pelo gasoduto árabe que sai da Península do Sinai, no Egito, e atravessa a Jordânia, Síria e Líbano para acionar as plantas a gás que atualmente não estão operacionais. O objetivo é permitir que o Líbano receba gás natural suficiente para gerar 450 megawatts de eletricidade.

Em relação ao investimento, o país está a negociar com o Banco Mundial para obter o financiamento necessário para essa empreitada. Além disso, deve-se lembrar que este projeto pode esbarrar no obstáculo das sanções americanas contra a Síria, embora os Estados Unidos tenham dado o seu apoio ao considerar a concessão de uma provável isenção, bem como quaisquer reparos necessários no gasoduto.

O Egito, que já é autossuficiente em gás, desde há três anos, produziu 6,6 mil milhões de pés cúbicos por dia em 2020 e planeia aumentar a sua capacidade de produção para 7,2 mil milhões de pés cúbicos por dia.

Recorde-se que tal como Mercados africanos tinha noticiado a 10 de maio 2021 o Egito para além do gás natural, quer tornar-se um ator principal nas trocas de eletricidade entre a África do Norte e o Médio Oriente, considerando que a sua capacidade instalada aumentou significativamente nos últimos anos com a exploração de seu potencial solar e eólico.

O país do Norte da África tem uma capacidade solar fotovoltaica instalada de 1.700 MWp e 1.465 MW de energia eólica e essa capacidade deve aumentar ainda mais nos próximos anos graças aos projetos em andamento no Alto Egito para energia solar e no Golfo de Suez para energia eólica.

Para rentabilizar a produção, parte da eletricidade será exportada para o Sudão, Líbia, Jordânia e em breve Iraque. O Cairo está até a considerar estabelecer conexões elétricas com Chipre e Grécia.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.