Eiffel: 200 milhões de dólares para eletrificação.

200 milhões de dólares em empréstimos-ponte para investir na aceleração da eletrificação e da transição energética em África, é o valor que o grupo francês de gestão de ativos Eiffel Investment Group, quer alavancar, segundo comunicado do Grupo a que teve acesso Mercados Africanos.

O Banco Europeu de Investimento (BEI) pretende participar no fundo no valor de 30 milhões de dólares.

O objetivo é fornecer capital inicial antes de investimentos de longo prazo para projetos de energia renovável, que poderiam fornecer energia a dois milhões de consumidores. O grupo visa um mercado que estima em 523 milhões de euros por ano e vai solicitar investimentos a instituições públicas e privadas.

O Eiffel Investment Group também planeia lançar o novo fundo no primeiro semestre deste ano (2022). O fundo é projetado com empréstimos de 12 a 36 meses usados ​​para desencadear a construção de infraestrutura, especialmente solar, pequenas hidroelétricas ou turbinas eólicas.

“Queremos continuar a apoiar desenvolvedores para quem já fornecemos financiamento-ponte, bem como outros desenvolvedores, para projetos em África, de acordo com a nossa estratégia corporativa de atender a procura urgente de financiamento”

Disse Pierre-Antoine Machelon, chefe de transição energética do Eiffel Investment Group.

Ainda segundo o mesmo comunicado, o Eiffel Investment Group deseja replicar o sucesso do seu programa europeu de financiamento-ponte em África.

A estratégia de financiamento-ponte do Eiffel Investment Group oferece aos desenvolvedores de energia a possibilidade de iniciar a construção de fábricas em paralelo com o levantamento de capital permanente.

Na Europa, Eiffel Investment Group já financiou mais de 1.900 projetos de energia renovável e infraestrutura de eficiência energética nos últimos cinco anos para o benefício de mais de 60 desenvolvedores independentes.

De facto, levantar capital de investidores internacionais, instituições organizações multilaterais, bancos de desenvolvimento e parceiros locais é muitas vezes longo e complexo, e a indisponibilidade de capital quando os projetos estão prontos para construir contribui para a desaceleração a implantação de energias renováveis ​​no continente.

A procura é forte e vários financiamentos-ponte já foram disponibilizou, incluindo, recentemente, um empréstimo-ponte de 3 milhões de euros concedido à ManoCap Energy para projetos solares no Gana e Serra Leoa.

A empresa anuncia que contratou os serviços da Finergreen, líder mundial em consultoria financeira para a transição energética e particularmente em mercados emergentes, para atender o mercado africano.

A Finergreen cobre África através dos seus três escritórios localizados na Costa do Marfim, Quénia e África do Sul.

 

O que achas desta situação? A falta de eletrificação em África é problemática? Queremos a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”

 

Veja Também:

ONU: África não vai alcançar objetivos de eletrificação em 2030

Guiné-Bissau aumentou eletrificação, diz relatório do BM/IEA

close
pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.