Energia: Colaboração intra-africana

A Sociedade de Transmissão e Distribuição de Eletricidade do Zimbabué (ZETDC na sua sigla em Inglês) começou a cortar a energia 12 horas por dia. A empresa fez o anúncio no domingo, 12 de setembro 2021, em um comunicado.

No Zimbabué, mesmo algumas das centrais de grande escala, não conseguem produzir energia suficiente para colmatar a lacuna energética do país.

Duas das principais centrais do país não estão a funcionar de maneira ideal, levando o Zimbabué a recorrer à energia importada.

O ministro da Energia do Zimbábue, Soda Zhemu, anunciou na quinta-feira, 16 setembro 2021, que o país entrou em negociações com os vizinhos de Moçambique e Zâmbia para colmatar e encontrar formas de resolver os cortes diários de energia de 12 horas.

Do lado de Moçambique, o país espera receber 180 MW adicionais e segundo o ministro, o Zimbabué está a negociar a obtenção de mais 100 MW da Zâmbia.

Essa eletricidade adicional ajudará a preencher o “déficit” de energia que causa apagões frequentes e que se devem, em parte, às obras de reabilitação da central hidrelétrica de Kariba.

A redução da carga também se deve às restrições de produção da central de Hwange e às importações limitadas de eletricidade.

De acordo com a estatal de eletricidade, o país produz atualmente um total de 1.276 MW e a procura é de 1.700 MW.

Moçambique e a Zâmbia fornecem atualmente ao Zimbabué cerca de 170 MW de eletricidade.

O país depende de importações para preencher a lacuna de eletricidade.

De acordo com dados do Banco Mundial em 2019, a percentagem da população com acesso à eletricidade no Zimbabué, era de 41,1%

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.