Nem a pandemia da covid-19 esmoreceu o interesse dos investidores estrangeiros em Cabo Verde.

Prova disso é que 2020 bateu todos os recordes, com um volume que vai chegar aos mil milhões de euros em investimentos estrangeiros.

Em entrevista exclusiva ao Mercados Africanos, José Almada Dias, presidente da Cabo Verde TradeIvest (CVTI), agência responsável pela atração de investimentos e promoção de exportações, fala deste “melhor ano de sempre”, da diversificação das áreas de investimentos, dos mercados, das exportações, dos desafios e pisca o olho ao próximo ano, que poderá ser ligeiramente melhor.

Mercados Africanos (MA): Como é que a Cabo Verde TradeInvest, uma instituição de atração de investimentos e de promoção das exportações, conseguiu aguentar este ano de pandemia, em que tudo esteve parado durante muito tempo?

José Almada Dias (JAD): Pelo contrário, tivemos um ano muito bom, por uma razão simples: o interesse dos investidores normalmente não esmorece por causa de crises.

A maioria dos investidores tem consciência que essas crises são passageiras e os projetos normalmente levam anos a implementar e nós não tivemos nenhum esmorecimento do interesse dos investidores.

Pelo contrário, vamos ter o melhor ano de sempre em termos de aprovação de projetos, seguindo uma tendência que já vinha de trás, de crescimento todos os anos.

Mesmo a nível das exportações globais, pode haver uma pequena diminuição porque algumas das empresas foram obrigadas a fechar – lembrando que a esmagadora maioria das empresas exportadoras de Cabo Verde estão na ilha de São Vicente e o período de confinamento ali foi menor – mas mesmo assim tiveram praticamente um mês paradas, mas continuaram as atividades logo que foi possível.

Portanto, não há uma grande diminuição das exportações em relação às grandes empresas exportadoras, como a Frascomar, a Verdevest, a ICCO, que são mais de 80% das exportações de Cabo Verde.

No caso de produtos genuinamente cabo-verdianos, como por exemplo grogue e derivados, este foi de longe o melhor ano de sempre, as empresas triplicaram as suas exportações.

Os dois grandes exportadores que engarrafam grogue de Santo Antão e também exportam a partir de São Vicente duplicaram as suas exportações para os Estados Unidos.

Houve entrada pela primeira vez de dois exportadores da ilha de Santiago, que também exportaram grogue e derivados para os Estados Unidos e para a Europa.

De uma média de três contentores por ano, nós passamos para mais de nove, ainda estamos a acabar de apurar os dados. É de assinalar outro feito que tem a ver com a empresa SUCLA, que é a indústria mais antiga do país pelo menos ainda em funcionamento, que comemorou este ano 85 anos de história, e também com o melhor ano de sempre, as suas exportações aumentaram em 40%. Contrariamente ao que se pode pensar, o ano de 2020 nalguns aspetos foi muito bom.

MA: As limitações não afetaram grandemente algumas empresas e alguns setores?

JAD: Não. A intenção de investimentos mantém-se. Normalmente os investidores olham para os investimentos numa ótica de longo prazo e as manifestações de interesse que já existiam em termos de investimentos mantiveram-se e a tramitação dos projetos continua normalmente. Este ano vamos ter em termos de volume de projetos o melhor ano de sempre.

MA: Até agora o melhor ano de sempre tinha sido em 2019, com 47 projetos aprovados. Quando diz que 2020 vai ser o melhor ano de sempre, qual o número de projetos aprovados e o volume dos investimentos?

JAD: Isso depende do ângulo. Em 2019 tivemos mais projetos aprovados em termos de número, mas o volume do investimento, que é por onde se olha mais, porque é isto que tem impacto mais direto na economia, foi bastante considerável, de 486 milhões de euros. Foi dos melhores anos. Mas este ano já estamos a chegar a barreira de mil milhões de euros de investimentos. Ainda há projetos na fase final de aprovação, mas se tudo correr bem as estimativas apontam para um recorde absoluto este ano.

MA: O anterior recorde de volume de investimento tinha sido em 2017, com cerca de 600 milhões de euros…

JAD: Este ano vamos chegar aos mil milhões. O número de projetos é menor. O que acontece é que são projetos de maior dimensão. Estamos a falar de projetos que têm um volume de investimentos muito superior, o que também é de assinalar.

(a continuar)

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.