Como reconhecimento do trabalho realizado durante o primeiro mandato em prol do desenvolvimento rural como uma solução chave para os desafios globais que o mundo enfrenta atualmente, os Estados-Membros reconduziram Gilbert F. Houngbo como Presidente da Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA) para um segundo mandato na reunião anual do Conselho de Governação que teve lugar a 16 de fevereiro 2021.

Com uma agenda ainda mais ambiciosa no centro de seu segundo mandato, e um foco particular em soluções tecnológicas, modelos de financiamento inovadores e novas parcerias com o setor privado, o Houngbo vai continuar a ter na sua agenda o combate à fome e pobreza, os impactos devastadores das mudanças climáticas, o desemprego jovem e mais recentemente a recuperação dos efeitos devastadores da COVID-19, lê-se no comunicado do FIDA a que teve acesso Mercados Africanos.

“Com a pandemia que continua a devastar as áreas rurais e com as projeções de aumento da pobreza e da fome, a necessidade de expansão do FIDA é mais urgente do que nunca”, disse Houngbo, que é presidente do FIDA desde 2017.

“Hoje é a COVID, ontem é foi um tsunami e não sabemos o que acontecerá amanhã. A ameaça das mudanças climáticas e do clima extremo não diminuirá, e devemos estar preparados. Nenhuma mulher ou homem rural deveria estar na posição de ter que vender os seus parcos bens – ou ser forçado a migrar – para sobreviver ”.

Houngbo pediu aos doadores que contribuam significativamente para que o FIDA, possa atingir um envelope financeiro de pelo menos 11 mil milhões de dólares entre 2022 a 2024 para poder implementar programas para reconstruir as economias rurais e apoiar os países a recuperam dos impactos do COVID-19 e paralelamente apoiar as populações rurais marginalizadas a tornarem-se muito mais resilientes às mudanças climáticas e outros choques.

No seu discurso de aceitação, Houngbo disse que abordar os impactos devastadores das mudanças climáticas e reverter o declínio da biodiversidade estão entre as suas maiores prioridades. Apesar de sua vulnerabilidade às mudanças climáticas, os pequenos agricultores atualmente recebem apenas 1,7% do financiamento global dos programas para o clima.

O presidente do FIDA relembrou que os sistemas de agricultura em pequena escala produzem metade das calorias alimentares do mundo, mas esses agricultores costumam ser os que passam fome.

O FIDA é a única organização multilateral focada exclusivamente em lidar com a fome e a pobreza nas áreas rurais, onde vivem três quartos das pessoas mais pobres e com insegurança alimentar do mundo.

Décadas de progresso na luta contra a pobreza extrema estão agora a ser revertidas devido à pandemia COVID-19.

Até 150 milhões de pessoas podem cair na pobreza extrema em 2021 e espera-se que mais 136 milhões de pessoas passem fome.

Outro dos objetivos de Houngbo é enfrentar os principais desafios que se colocam aos jovens rurais para encontrar um emprego decente, o que tem um enorme impacto na instabilidade e na migração.

Em África, 60 por cento dos jovens vivem nas áreas rurais e entre 10 e 12 milhões de jovens ingressam no mercado de trabalho todos os anos.

Com o aumento dos investimentos em agro empresários e pequenas e médias empresas rurais, o FIDA visa criar maiores oportunidades de emprego para a juventude rural.

Em 2020, o FIDA foi o primeiro fundo da ONU a receber uma classificação de crédito, com a Fitch Ratings e a Standard and Poor’s a  classifica-lo com AA + o que ajudará o FIDA a mobilizar mais fundos de vários investidores potenciais a um custo favorável.

Houngbo é um político e diplomata togolês que foi primeiro-ministro do seu país de setembro de 2008 a julho de 2012.

Flickr ©

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.