FMI: O impacto da guerra na economia africana.

A Diretora-Geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, reuniu-se, a 10 de Março 2022, com os ministros das Finanças e governadores de bancos centrais africanos, bem como representantes da Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA), para debaterem o impacto económico em África, causado pela crise da guerra na Ucrânia.

No comunicado lido por Mercados Africanos emitido no final do encontro pelo FMI, Georgieva sublinhou que:

“África é particularmente vulnerável aos impactos da guerra na Ucrânia através de quatro canais principais: subida dos preços dos alimentos, aumento dos preços dos combustíveis, diminuição das receitas do turismo e acesso potencialmente mais difícil aos mercados de capitais internacionais”.

Ainda segundo o mesmo comunicado:

“A guerra na Ucrânia está a devastar as vidas de milhões de pessoas e a afetar gravemente a economia ucraniana. A guerra e as sanções sem precedentes impostas à Rússia estão a ter consequências profundas. Chegam num momento delicado para África”.

Ao ligar o início da recuperação pós pandemia com a guerra na Ucrânia, o comunicado do FMI acrescenta que:

“Precisamente quando a economia mundial e o continente estão a começar a se recuperar da devastação da pandemia de Covid-19, esta nova crise ameaça anular alguns desses avanços”.

“Debatemos como sustentar a recuperação de África – já desfasada em relação a outras regiões – apesar de novos obstáculos significativos”.

A Diretora-Geral do FMI no mesmo comunicado refere-se também a necessidade de se continuar a trabalhar para melhorar as políticas públicas:

“Trata-se de um momento crítico para a atuação conjunta da comunidade internacional e decisores políticos, e considero animador o forte interesse dos decisores políticos africanos em continuar o nosso diálogo sobre políticas públicas”.

“Observei, em especial, preocupações significativas sobre a margem de manobra limitada das políticas internas para enfrentar de forma sustentável as crises atuais”.

Ainda segundo a DG do FMI:

“A prioridade para muitos países é redobrar os esforços para a consecução de reformas que promovam ainda mais a resiliência. Neste momento difícil, o FMI está pronto para ajudar os países africanos a enfrentar as repercussões da guerra e a conceber e aplicar reformas”.

“A ajuda também será por meio do aconselhamento em matéria de políticas, desenvolvimento de capacidades e concessão de crédito. As recentes reformas do conjunto de instrumentos de empréstimo do FMI conferem maior flexibilidade para ajudar a satisfazer as necessidades de financiamento”.

“Também fiquei satisfeita com o forte interesse que os países africanos têm demonstrado na proposta de criação do Fundo Fiduciário para a Resiliência e Sustentabilidade, que planeamos ter plenamente operacional até ao final deste ano”.

Disse ela a terminar o comunicado dessa instituição financeira global.

 

O que achas do FMI? Desta vez estará mesmo a ajudar? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

Imagem: © DR
close

VAMOS MANTER-NOS EM CONTACTO!

Gostaríamos de lhe enviar as nossas últimas notícias e ofertas 😎

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.