Google investe mil milhões em África.

O gigante tecnológico norte-americana Google vai investir cerca de mil milhões de dólares em África para apoiar a “transformação digital do continente” nos próximos cinco anos. O anúncio foi feito na nesta quarta-feira, 7 outubro, 2021.

O plano de investimento de mil milhões de dólares para o continente africano foi divulgado pelo CEO da Google e da Alphabet, empresa detentora do gigante tecnológico, Sundar Pichai, através de um vídeo divulgado na rede social Twitter.

O ano de 2020, marcado pela Covid-19 e as suas restrições, impulsionou a aceleração da transformação digital na África. Por meio dos seus novos investimentos, a Google posiciona-se estrategicamente na atual proliferação digital que afeta tanto o setor público quanto o privado.

Para o gigante da web, esta é uma oportunidade de lucrar com os dividendos digitais que resultarão dela até 2025.

Em termos de melhoria do acesso à Internet, o Google está a implantar o cabo submarino Equiano que cruzará a África do Sul, Namíbia, Nigéria e Santa Helena para ligar o continente à Europa.

A empresa também está a trabalhar com várias grandes operadoras de telecomunicações para tornar os smartphones Android mais acessíveis.

Por fim, Google anuncia a disponibilização do Plus Codes, um sistema de endereço gratuito e de código aberto, para fornecer endereços e facilitar o acesso das populações a diversos serviços online, como o e-commerce.

O financiamento será investido em quatro áreas principais: o acesso facilitado e desenvolvimento de produtos para utilizadores africanos; a assistência a empresas para a sua transformação digital; o apoio a empreendedores para impulsionar tecnologias de nova geração e o apoio a organizações sem fins lucrativos que trabalham para melhorar vidas em África.

“À medida que fazemos estes investimentos, sabemos que não podemos fazer isto sozinhos. Estamos ansiosos para fazer parcerias com governos africanos, impulsionadores de políticas, educadores, empresários e empresas. Temos muitas oportunidades pela frente, à medida que os africanos moldam a próxima vaga de inovação”, acrescentou Pichai.

Embora a fiabilidade da internet seja um problema em grande parte de África, o continente é atualmente um mercado muito atrativo com cerca de 1,3 mil milhões de pessoas, sendo que quase metade tem menos de 18 anos.

Em 2018 a Google já tinha aberto um centro de investigação de inteligência artificial em Acra, na capital do Gana.

Nitin Gajria, presidente-executivo do Google para África, disse: “No ano passado (2020), vimos mais investimentos em start-ups de tecnologia do que nunca. Acredito firmemente que ninguém está mais bem colocado para resolver os maiores problemas da África do que os jovens desenvolvedores e fundadores de start-ups africanos”.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.