Grande Passo: África pode pagar a África nas moedas nacionais.

Os países africanos têm agora a oportunidade de pagar em moeda local, graças a um mecanismo de pagamento que acaba de ser implementado a nível regional.

Um primeiro passo, mas que exigirá disciplina na implementação.

O Banco Africano de Importação e Exportação (Afreximbank) e o Secretariado da Zona de Comércio Livre Continental Africana (ZCLCA) anunciaram nesta terça-feira, 28 de setembro 2021 o lançamento operacional do Sistema Pan-Africano de Pagamentos e Liquidação (PAPSS na sua sigla em Inglês).

Segundo o comunicado lido por Mercados Africanos essa infraestrutura do mercado financeiro visa permitir que os países membros da região façam pagamentos entre si,  instantâneos e em moedas locais.

“O PAPSS servirá como uma plataforma continental para o processamento, compensação e liquidação de pagamentos comerciais intra-africanos, com base num sistema de liquidação líquida multilateral. A sua implementação total deverá permitir ao continente poupar mais de 5 mil milhões de dólares americanos em custos de transação de pagamento por ano”, diz -se no comunicado oficial que dá a informação.

A infraestrutura já foi testada na Zona Monetária da África Ocidental (WAMZ na sua sigla em Inglês) – e que inclui dois PALOP, Guiné-Bissau e Cabo Verde – a mesma onde está a ser desenvolvido um projeto de moeda única o ECO.

Para acelerar a expansão e garantir a finalização da liquidação, o Afreximbank aprovou 500 milhões de dólares para apoiar a compensação e liquidação nos países da Zona Monetária da África Ocidental (WAMZ).

Estima-se que 3 de mil milhões adicionais serão disponibilizados para apoiar a implementação do sistema em todo o continente.

Os bancos centrais africanos já concordaram com o uso do mecanismo, mas a gestão do PAPSS reconhece que as discussões ainda precisam ser iniciadas para obter o número máximo de membros.

A parcela das transações comerciais entre os países africanos permanece marginal, de acordo com indicadores do Centro de Comércio Internacional.

Em 2020, as importações entre os países africanos atingiram 58,6 mil milhões de dólares, queda pelo segundo ano consecutivo e representando menos de 12% do total das importações dos países da região.

A multiplicidade de moedas da região é uma das causas desse fraco comércio entre os seus países membros.

“Com a implementação do PAPSS, a África pode esperar começar a colher os frutos do Acordo de Livre Comércio Continental Africano. O Afreximbank tem orgulho de ter contribuído para a realização de um sonho de décadas que parecia inatingível apenas alguns anos atrás”, disse Benedict Oramah, presidente do Afreximbank.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.