Interesse dos investidores em África mantém-se.

O interesse dos investidores no comércio com África continua forte, apesar dos desafios em torno da Covid-19, disseram altos funcionários dos Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido na conferência anual recentemente concluída da African Private Equity and Venture Capital Association (AVCA), sediada em Londres.

O evento virtual destacou algumas das recentes mudanças regulatórias e políticas que afetam o património privado na África. 

Também discutiu o impacto da política pública internacional sobre o comércio e sobre os investidores e sobre o investimento estrangeiro direto no setor privado da África.

A discussão foi moderada por Abdu Mukhtar, Diretor do Departamento Industrial e Comercial do Banco Africano de Desenvolvimento.

Marchick disse que os EUA estão empenhados em apoiar a capacidade de produção da África e em arranjar investidores para o desenvolvimento adricano.

“Temos em média entre 4 a 5 mil milhões de dólares de investimento por ano. Queremos aumentar esse montante em cerca de 20% o que seria mais mil milhões em investimentos no clima, na saúde, na tecnologia e na infraestrutura ”, disse Marchick.

Por seu lado, a britânica Wade-Smith disse que  África estava definitivamente no “radar” do Reino Unido e dos investidores privados. 

“Estamos a trabalhar muito próximos aos governos para criar esse ambiente propício, identificando se pode haver regras que precisem de ser atualizados ou implementadas de maneira mais concreta e consistente”, acrescentou ela.

“Estou realmente a trabalhar com agências de promoção de investimentos em todo o continente para ajudar a criar os projetos certos, de maneira certa e que irá inspirar esses investidores a voltarem a “inundar” África ”, enfatizou a ministra britânica. 

O ministro da Nigéria, Adebayo disse que o país está “a fazer muito” para melhorar as perspetivas de investimento ao citar o recém-lançado Conselho Presidencial de Ambiente de Negócios, que tem impulsionado reformas como as que ocorreram no setor de energia”

 O governo da maior economia da África também está a digitalizar marcas e patentes.

“Queremos ir além da exportação de petróleo bruto e produtos agrícolas. O que pretendemos é tentar estabelecer zonas especiais de processamento agroindustrial”.

“O objetivo é agregar valor aos nossos produtos antes de exportar. Convidamos investidores a vir e estabelecer empresas de processamento na Nigéria ”,  concluiu Adebayo.

 

O que achas disto? África precisa mesmo de mais investidores estrangeiros? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

Imagem: © 2021 AVCA
close

VAMOS MANTER-NOS EM CONTACTO!

Gostaríamos de lhe enviar as nossas últimas notícias e ofertas 😎

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.