Investir mais nas mulheres empreendedoras.

De acordo com ministros, banqueiros e especialistas em desenvolvimento, investimentos em mulheres e jovens empreendedores irão estimular o crescimento da África.

Isto foi dito num evento intitulado: “Abrir o potencial de mulheres e jovens empreendedores na era digital“, que teve lugar durante a Conferência de Ministros das finanças, planeamento e desenvolvimento económico, sob a égide da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEA) e que foi largamente analisada por Mercados Africanos.

O relatório do evento lido por Mercados Africanos, teve como foco os desafios a que são confrontadas as mulheres e jovens empreendedores para obterem financiamento e acederem à digitalização.

Dirigindo-se aos participantes, a Chefe da Seção de Urbanização do CEA, Edlam Yemeru, disse:

“O crescimento económico e prosperidade de África depende da capacidade dos seus empresários para transformar as suas ideias em negócios de sucesso”, acrescentado:

“A alta taxa de desemprego em África afeta especialmente mulheres e jovens. Empreendedorismo na era digital oferece uma grande oportunidade para se criarem novos empregos e melhorar a participação em atividades remuneradas”.

Os bancos foram também exortados a criar critérios de empréstimo adaptados às pequenas empresas. Uma da participante contou a história dela: “Quando eu pedi um empréstimo para o meu negócio, o banco obrigou-me a seguir os mesmos requisitos, mais rigorosos, estabelecidos para as grandes empresas”.

Outro participante Samuel Mugisha, cuja start-up presta serviços de saúde a meio milhão de ugandeses, explicou a situação das start-ups no seu país:

“É fácil começar uma empresa em Uganda, mas 70% das start-ups fecham antes do seu quinto aniversário e isto por falta de apoio para entender o que as empresas devem fazer para sobreviver num ambiente competitivo”.

Tal como tínhamos analisado em artigos anteriores durante esta semana, a 53.ª sessão da Conferência dos Ministros das Finanças de África, insistiu que os fundos adicionais que serão postos à disposição pelo FMI para o continente fossem também canalizados para o setor privado e pequenas e médias empresas, o “motor da economia africana”.

 

O que achas disto? África tem mesmo que investir mais nas mulheres? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

Imagem: © Mercados Africanos
close

VAMOS MANTER-NOS EM CONTACTO!

Gostaríamos de lhe enviar as nossas últimas notícias e ofertas 😎

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.