O ramo energia renovável da Enel, Enel Green Power (EGP) e uma subsidiária da Qatar Investment Authority (QIA), assinaram um acordo para uma parceria de joint venture com o objetivo de financiar, construir e operar projetos renováveis ​​na África Subsaariana, segundo publicação de ontem (15/01) da New Europe , a que teve acesso Mercados Africanos.

As partes também assinaram um acordo pelo qual a QIA adquirirá 50% da participação da EGP em projetos já operacionais ou em construção na África do Sul e Zâmbia com capacidade de aproximadamente 800 MW, disse a Enel.

O CEO e gerente geral da Enel, Francesco Starace, disse que as duas empresas trabalharão juntas para acelerar a criação de uma extensa “pegada” de energia verde na África Subsaariana e aproveitar ainda mais o imenso potencial renovável da região e contribuir para um modelo de desenvolvimento económico mais sustentável nesta parte do mundo.

Por seu lado, o CEO da QIA, Mansoor bin Ebrahim Al-Mahmoud, elogiou a parceria com a Enel Green Power para investir na geração de energia limpa na África Subsaariana. “A QIA está empenhada em apoiar a transição para um futuro de baixo carbono e acreditamos que este investimento pode ter um impacto ambiental e social significativo. Compartilhamos uma visão mútua com a Enel no apoio aos esforços de descarbonização e acreditamos que esse investimento representa uma excelente oportunidade para desenvolver e fazer crescer uma plataforma de energia renovável líder na região”, disse ele.

Nesta primeira fase, a transação envolve a aquisição pela QIA de 50% da participação da EGP em quatro projetos em construção na África do Sul e duas fábricas operacionais no mesmo país e na Zâmbia, para uma capacidade total de aproximadamente 800 MW. De acordo com a transação, a EGP e a QIA formarão uma nova entidade legal numa única empresa de joint venture para futuros empreendimentos na África Subsaariana.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.