Natação

Tatjana Schoenmaker conquistou a sua segunda medalha nos Jogos de Tokio 2020
Tatjana Schoenmaker conquistou a sua segunda medalha nos Jogos de Tokio 2020

A sul-africana Tatjana Schoenmaker conquistou a sua segunda medalha nos Jogos, com uma das atuações de destaque em Tóquio, ao quebrar o recorde mundial nos 200m bruços com o tempo de 2 minutos 18 segundo e 95 centésimos.

Foi a segunda medalha dos Jogos para a sul-africana de 24 anos, após conquistar a prata nos 100m bruços.

“Ainda não estou em mim. Não quero que o meu sonho olímpico acabe, mas estou contente de voltar e comemorar com os meus pais”, disse ela após a sua vitória.

Atletismo

Selemon Barega, da Etiópia, ao vencer os 10.000 metros masculinos
Selemon Barega, da Etiópia, ao vencer os 10.000 metros masculinos

A primeira medalha de ouro no atletismo das Olimpíadas de Tóquio 2020 foi conquistada por Selemon Barega, da Etiópia, ao vencer os 10.000 metros masculinos.

A finalização rápida do jovem de 21 anos foi demasiado forte para o detentor do recorde mundial e campeão mundial Joshua Cheptegei de Uganda, que teve que se contentar com a prata à frente do seu compatriota Jacob Kiplimo em terceiro.

Nas eliminatórias dos 5.000 metros femininos a queniana Hellen Obiri, que conquistou a prata nos Jogos do Rio em 2016, terminou em segundo, atrás da atleta com a melhor marca do mundo este ano, Gudaf Tsegay, da Etiópia, mas ambas classificaram-se para a final desta segunda-feira, 2 de agosto 2021

As quenianas Agnes Tirop e Lilian Kasait Rengeruk, bem como a dupla etíope Senbere Teferi e Ejgayehu Taye, também se classificaram para a final.

Marie-Josee Ta Lou, da Costa do Marfim, assinou o melhor tempo nas eliminatórias femininas dos 100m para se qualificar para as meias-finais a realizar este sábado 31 de julho 2021.

Ta Lou correu em 10,78 segundos para igualar o recorde africano da sua compatriota Murielle Ahoure que também passou às meias-finais ao terminar em terceiro lugar na sua eliminatória.

“Estou em choque, sei que estava pronta, mas não planeava correr tão rápido na primeira eliminatória, veremos amanhã”, disse Ta Lou no final da corrida.

“O meu treino desde 2019 não tem sido muito fácil porque eu tive muitas lesões até este ano, eu não sabia o quão rápido seria, mas Deus sabe melhor.”

Três outras africanas qualificaram-se para as meia-finais – a dupla nigeriana de Blessing Okagbare e Grace Nwokocha, bem como Gina Bass da Gâmbia, que estabeleceu um novo recorde nacional de 11,12s.

Nos 3.000 metros com obstáculos masculinos, Lamecha Girma, da Etiópia, foi o mais rápido e qualificou-se para a final desta segunda-feira, 2 de agosto 2021 e contará com a companhia do seu compatriota Getnet Wale.

Também estarão na final os quenianos Benjamin Kigen e Abraham Kibiwott, o eritreu Yemane Haileselassie e a dupla marroquina Soufiane El Bakkali e Mohamed Tindouft.

Nos 800m femininos, a ugandesa Winnie Nanyondo, a etíope Habitam Alemu e  Noelie Yarigo do Benim, terminaram em segundo lugar em suas respetivas eliminatórias para se qualificarem para as semifinais deste sábado 31 de julho 2021.

A queniana Mary Moraa, e a marroquina Rababe Arafi, também se classificaram com um terceiro lugar nas suas respetivas eliminatórias, assim como a ugandesa Halimah Nakaayi.

No salto em altura masculino, o queniano Matthew Sawe, “só” conseguiu saltar 2,17 metros, o que não foi suficiente para competir na final de domingo.

Grande desapontamento para Francine Niyonsaba do Burundi, que terminou em quarto lugar na sua eliminatória dos 5000 metros femininos e garantiu um lugar na final, mas que foi desclassificada por ter saído da pista, durante a corrida.

Recorde-se que a atleta de 28 anos foi forçada a desistir da sua prova favorita, os 800 metros preferidos, nos quais conquistou a medalha prata no Rio em 2016, já que preferiu não tomar medicamentos redutores de testosterona.

Segundo os últimos regulamentos do Atletismo Mundial, Niyonsaba é classificado como tendo ‘Diferenças de Desenvolvimento Sexual’ – ou ‘DDS’ – e, portanto, não tem permissão para competir em eventos entre 400m e uma milha sem tomar medicamentos redutores de testosterona.

Vólei de praia

JO África do Sul, Etiópia e Uganda dão 2 ouros, prata e bronze, África tem agora 11 medalhas
Mohammed Abicha e Elgraoui Zouheir a equipe marroquina de volei de praia

Na prova masculina, os marroquinos Mohammed Abicha e Elgraoui Zouheir sofreram a terceira derrota consecutiva face aos chilenos e a dupla marroquina está fora das Olimpíadas.

 

Hóquei em campo

A equipe masculina da África do Sul deixa o torneio, apesar do empate de 4 a 4 com o Canadá.

Os sul-africanos terminaram em quinto lugar no Grupo A com quatro pontos graças ao empate com o Canadá e à vitória desta quinta-feira,29 julho 2021, sobre a Alemanha.

A seleção da África do Sul a ser derrotada pela Alemanha
A seleção da África do Sul a ser derrotada pela Alemanha

A seleção feminina da África do Sul foi derrotada por 4 a 1 pela Alemanha, ficando em último lugar no Grupo A. Para continuar em prova as sul-africanas terão que vencer o seu último jogo contra a Índia por uma margem enorme e esperar que a Irlanda perca com a Grã-Bretanha para esperar de chegar às semifinais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.