Kigali, paraíso africano para bicicletas e scooters.

Kigali, a capital de Ruanda, foi o local escolhido pela start-up GuraRide para lançar um sistema de transporte de bicicletas e scooters. Já disponível em outras 2 cidades, este novo serviço enquadra-se na política de urbanização verde iniciada pelo governo.

GuraRide, uma empresa de transporte público de bicicletas e scooters , está comprometida com a mobilidade sustentável em África. Com sede no Ruanda, a start-up visa transferir gradualmente a indústria de transporte de combustível fóssil para outras opções de energia renovável de baixo carbono.

Os seus veículos com a bandeira de Ruanda estão disponíveis por meio de um aplicativo onde o utilizador pode alugá-los para os seus deslocamentos diários. Tony Adesina, empresário de origem nigeriana e americana, decidiu lançar este projeto de micro mobilidade para reduzir o uso de transportes poluentes.

Por estar muito comprometido com a promoção do transporte sustentável, o Ruanda foi o local ideal para a implantação de tal projeto. De quinze em quinze dias, aos domingos de manhã, vários quilómetros de estradas da capital são fechadas ao trânsito e os cidadãos caminham ou andam de bicicleta.

O governo de Ruanda lançou um vasto programa de urbanização verde, incluindo o projeto “Cidade Verde”, que prevê a construção de um distrito 100% ecológico nos arredores de Kigali.

A cidade de Kigali é, portanto, uma exceção no estabelecimento de infraestrutura para ciclistas, num contexto em que a maioria dos centros urbanos na África e em outros lugares são frequentemente reservados exclusivamente para carros.

Esta nova política focada em infraestrutura ambientalmente correta tem muitas vantagens, entre elas a isenção do imposto na importação de equipamentos para veículos elétricos, quotas preferenciais ou redução do custo de energia elétrica, além disso, contribui para um estilo de vida saudável.

Lançado em setembro passado 2021, o Guraride tem cerca de cem bicicletas espalhadas por treze estações na cidade de Kigali e o seu aplicativo já foi baixado quase 9.000 vezes e regista em média 180 viagens por dia.

Embora o modelo económico se baseie no aluguer das bicicletas e scooters por enquanto serviço é gratuito, com o objetivo de atrair o maior número possível de utilizadores. A start-up pode, porém, contar com a prefeitura da capital ruandesa, parceira na implantação de suas bicicletas.

A GuraRide já lançou o seu serviço em outros dois distritos do país, Musaze e Rubavu e a longo prazo, pretende estabelecer-se em toda a África.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.