O Kwanza a moeda de Angola completou a 8 de janeiro, 44 anos desde que o Banco Nacional de Angola, única autoridade cambial do país colocou-a em circulação, em substituição do escudo colonial português

No dia 8 de janeiro de 1977 há 44 anos atrás, Angola conquistava a sua independência económica e consequente soberania, numa operação secreta que levou três dias e culminou na substituição do escudo colonial português, pelo Kwanza.   Segundo Leão Peres, antigo quadro sénior do Banco Nacional de Angola, nem os próprios funcionários tiveram conhecimento da operação que foi comandada pelos militares. No dia seguinte a 9 de janeiro foi então anunciada a entrada em circulação da nova moeda, e a posterior o próprio presidente da República na altura, Dr. António Agostinho Neto fizera um discurso para apresentar a nova moeda de Angola.

De 1977 até a presente data vários fatores contribuíram para a constante desvalorização do Kwanza, dentre eles a fragilidade da economia provocada por uma longa guerra civil. Para Leão Peres “a fragilidade ou não de uma moeda é diretamente proporcional a base económica do país

Assim sendo vários fatores contribuíram para a depreciação da moeda nacional o que obrigou a vários reajustes ao longo dos anos. Em novembro de 1990 houve a primeira substituição do Kwanza pelo novo Kwanza, e em julho de 1995 o novo Kwanza voltou a ser substituído pelo Kwanza reajustado com o corte de três zeros. E finalmente em 1999 o kwanza reajustado foi substituído pelo Kwanza atualmente em vigor.

O kwanza teve origem no Lwei, a primeira unidade monetária nacional  foi criada pela Lei nº 71-A/76 de 11 de Novembro (Lei da Moeda Nacional e na altura 1 Kwanza equivalia a 1 escudo angolano. Foram emitidas notas de valor facial de Kz 1.000, Khz 500, Kz 100, Kz 50 e Kz 20, para além de moedas metálicas no valor de Kz 10, Khz 5, Khz 2 e Kz 1 sendo  que 100 Lwei equivalia a  1 Kz.

Presente e futuro do Kwanza, moeda de Angola

Para percebermos mais sobre o valor atual da moeda de Angola e perspetivas para o futuro, ouvimos o diretor do gabinete de estatísticas do Banco Nacional de Angola, Joel Futi, em entrevista ao Mercados Africanos.

Joel Futi disse que depois de sucessivas depreciações ao longo dos anos o Kwanza está cada vez mais a atingir o seu valor real, em consequência das reformas que têm vindo a ser implementadas pelo Banco Nacional de Angola desde 2018.

O Kwanza tem vindo a atingir o seu valor de equilíbrio e o seu diferencial cambial entre a taxa oficial e a taxa do mercado informal comparativamente a moeda estrangeira tem reduzido ano após ano.  Por exemplo, em 2016 havia um diferencial de 185%, em 2017 de 150%, em 2018 altura em que começaram a ser implementadas as reformas pelo BNA, o diferencial reduziu para 28%, em 2019 para 23% e em 2020 para 14%.”

Relativamente ao futuro do Kwanza, moeda de Angola Joel Futi diz ser bastante promissor, tendo em conta os desafios que foram estabelecidos pelo Banco Nacional de Angola e o próprio executivo angolano e os esforços que têm sido empreendidos para fortalecer a base económica do país.

Considero que a moeda seja o reflexo da base económica de qualquer país, economias mais fortes tornam as moedas dos seus países mais fortes

Fruto das novas políticas implementadas pelo novo executivo, a tendência é de fortalecer o setor privado e consequente aumento da produção que se traduz no fortalecimento da base económica, referiu Joel Futi.

No que se refere à digitalização dos serviços bancários, em outubro do ano passado o Banco Nacional de Angola concedeu já uma licença a umas das operadoras móveis que brevemente passará a disponibilizar serviços financeiros móveis.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.