Lula concorda com Mercados Africanos.

Lula da Silva, ex-presidente do Brasil, vem agora, em uma entrevista dada à revista norte americana Time, dizer o mesmo que nós, Mercados Africanos, já tínhamos afirmado em relação à Guerra da Ucrânia, ou seja, que Volodymyr Zelensky “quis a guerra”.

Essa análise já tinha sido feita e abordada por nós em vários artigos, mas mais em particular no artigo “Ucrânia quer paz, mas fomenta a GUERRA” e no artigo “Afinal a Ucrânia quer mesmo a Paz ou não?”. Esta afirmação de Lula da Silva, vem confirmar que não é só no continente africano, que surgem dúvidas sobre os “verdadeiros interesses” desta guerra.

 

A entrevista

Publicada nesta quarta-feira, 4 de Maio de 2022, pela revista Time, a entrevista ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é esclarecedora e, nela afirma que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, “quis a guerra” com a Rússia.

“Ele (Zelensky) quis a guerra. Se ele (não) quisesse a guerra, ele teria negociado um pouco mais. É assim. Eu fiz uma crítica ao Putin quando estava na Cidade do México, dizendo que foi errado invadir. Mas eu acho que ninguém está procurando contribuir para ter paz”.

“As pessoas estão estimulando o ódio contra o Putin. Isso não vai resolver! É preciso estimular um acordo. Mas há um estímulo (ao confronto)!” disse o ex-presidente.

A declaração foi feita no meio a perguntas sobre o que faria para se relacionar com diferentes chefes de Estado a partir de 2023, se eleito, uma vez que o mundo estaria hoje muito fragmentado diplomaticamente, e se o ex-presidente conversaria com Putin mesmo após a invasão da Ucrânia. Lula respondeu que políticas “colhem o que plantam” e que, “se eu planto discórdia, vou colher desavenças”.

“Eu não conheço o presidente da Ucrânia. Agora, o comportamento dele é um comportamento um pouco esquisito, porque parece que ele faz parte de um espetáculo”.

“Ou seja, ele aparece na televisão de manhã, de tarde, de noite, aparece no parlamento inglês, no parlamento alemão, no parlamento francês como se estivesse fazendo uma campanha”.

“Era preciso que ele estivesse mais preocupado com a mesa de negociação”, afirmou.

Lula disse ainda que não sabia se conseguiria evitar o conflito, mas afirmou que, se fosse presidente do Brasil, teria telefonado para os presidentes dos EUA, da França, da Rússia e da Alemanha para tentar uma solução pacífica. Também criticou Zelensky por não ter adiado a discussão sobre a entrada na NATO à vista da escalada das tensões entre os dois países.

“Às vezes fico vendo o presidente da Ucrânia na televisão como se estivesse festejando, sendo aplaudido em pé por todos os parlamentos, sabe? Esse cara é tão responsável quanto o Putin”, disse.

Após dizer que Biden deveria ter se comprometido a não aceitar a Ucrânia na NATO para evitar o início do conflito, Lula defendeu que o mundo precisa de uma “nova governança” e criticou o que considera uma perda de representatividade da ONU hoje em dia.

Afirmou ainda que os chefes de Estado actuais não respeitam a ONU e que tomam as suas decisões desrespeitando o Conselho de Segurança das Nações Unidas. Para ele, é preciso “reconstruir a ONU, aceitar mais países no seu meio e envolver mais pessoas”.

 

Conclusão

Tal como Lula da Silva disse, os políticos colhem o que plantam, se plantam, igualdade, fraternidade, solidariedade, entendimento, vão receber o mesmo de volta. Mas se plantam discórdia, o resultado é ainda mais discórdia e, neste caso, a guerra.

Putin não deveria ter invadido a Ucrânia, isso é obvio e todos estamos de acordo, mas isso poderia ter sido evitado? Claro que sim. O culpado, não é só o Putin como se quer pintar na comunicação social, os culpados são também os EUA e a União Europeia.

Apesar de se querer “escamotear” a razão desta guerra, dizendo que ela tem outros objectivos que ainda não estamos a ver, a realidade é que o cerne da invasão da Ucrânia foi a adesão à NATO. Os EUA e a União Europeia poderiam simplesmente ter dito que de momento, a sua entrada não seria considerada.

Essa simples decisão, teria evitado a guerra e permitiria com mais calma, fazer primeiro a adesão da Ucrânia à União Europeia e, de futuro, caso fosse necessário, a entrada na NATO.

Mas começa a ser bem claro para todos nós que as “verdadeiras razões para a guerra” não vem da Rússia nem de Putin, mas sim dos EUA. Com as actuais sanções impostas à Rússia, especialmente este último bloqueio ao petróleo, percebe-se a realidade desta guerra.

Senão vejamos, as sanções não afetam em nada a Rússia, basta olharmos para os tempos da antiga União Soviética e perceber que eles passam bem sozinhos sem o resto do mundo.

Então quem beneficia/lucra com as sanções? Claramente os EUA que passam a vender o Gás e o Petróleo a preços muito superiores aquele praticado pela Rússia, as empresas americanas de armamento que há muito não facturavam tanto e, provavelmente, as empresas de construção americanas que ficarão encarregues da reconstrução da Ucrânia.

Claro que com isto tudo, quem sai a perder são os desgraçados dos ucranianos e claro, nós o Zé Povinho, que vê os preços de tudo a aumentar e os ordenados a encolher no fim do mês.

Lá diz o ditado. “A água bate na rocha e quem se lixa é o mexilhão”.

 

O que achas dista situação? Concordas com Lula da Silva? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

Imagem: © Jonne Roriz - Bloomberg / Luisa Dörr - TIME

Autor

  • Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos. neste momento exerce as funções de Chefe de Redação da Mercados Africanos.

close

VAMOS MANTER-NOS EM CONTACTO!

Gostaríamos de lhe enviar as nossas últimas notícias e ofertas 😎

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.