Um monumento da imprensa pan-africana tirou a sua reverência.

O fundador do grupo pan-africano Jeune Afrique, Bashir Ben Yahmed ─ conhecido como BBY por milhões de leitores ─ morreu na noite de domingo (2 de maio de 2021) aos 93 anos.

À frente do grupo Jeune Afrique desde sua criação em 17 de outubro de 1960, Béchir Ben Yahmed foi ministro efêmero do primeiro governo de Habib Bourguiba, em 1953, com apenas 28 anos, antes de cruzar o Mediterrâneo, para França.

Em Paris, passou décadas a expor o seu ponto de vista no editorial “O que eu acredito”, a abertura de um jornal que se tornou mais do que um jornal entre as elites da África francófona.

O semanário, cuja primeira edição foi publicada em 21 de novembro de 1961, sobreviveu a todos os testes e foi capaz de se adaptar às mudanças tecnológicas.

Jeune Afrique celebrou seu 60º aniversário em outubro de 2020 sob a liderança de seu capitão, um jornalista excecional que quase morreu com a pena na mão. “Fundado por um norte-africano que, em 1960, não sabia quase nada sobre a África subsaariana, Jeune Afrique foi gradualmente aceite pelos nossos irmãos subsaarianos que hoje o consideram seu jornal. Isso é uma grande fonte de satisfação e até orgulho para mim “, disse ele numa entrevista em outubro 2020 para o” Leader “.

Entrevista essa onde BBY explicou qual era a maior frustração: “Ver que o continente africano ainda não tomou o caminho do desenvolvimento e da democracia. E especialmente porque os sistemas de educação e saúde funcionam tão mal lá, com algumas exceções. No entanto, todos sabemos que, se os jovens de hoje não forem bem-educados e bem cuidados, os seus países não se desenvolverão amanhã ”.

E para finalizar: “Talvez terei, se Deus quiser, força e tempo para escrever o que vi, ouvi e aprendi nas últimas cinco ou seis décadas: o testemunho de um ator cuja carreira profissional começou nos anos 1950”.

Estamos seguros que Jeune Afrique ─ esse monumento da imprensa continental─ continuará tendo à frente, Amir Ben Yahmed, responsável pelo desenvolvimento, o seu irmão Marwan e o editorialista François Sudan, um trio que saberá continuar o trabalho de BBY.

Pela redação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome