O Diabo e o Bicho-Papão (na guerra da Ucrânia).

Volto aqui a afirmar que Mercados Africanos, condena veemente a invasão da Ucrânia pelo que não somos partidários de Putin, lamentamos os mortos de Kiev e revoltamos-mos com o drama dos refugiados ucranianos, mas somos isentos e a verdade é para ser dita.

Já aqui expusemos o racismo contra os refugiados de “cor mais escura” na fronteira Ucrânia/Polónia, já expusemos a parcialidade do Ocidente em relação à guerra e também já explicamos as implicações da guerra para o continente africano, por isso temos o dever de expor a maior vergonha desta guerra. O nepotismo norte americano.

Num outro artigo, relacionado com esta guerra, noticiamos o facto de que a maior parte dos países africanos, não condena a invasão, pelo contrário, alguns até puseram as suas tropas à disposição de Putin, mas apesar disso, os EUA, tentaram impor “a sua lei” a África.

O presidente dos EUA veio “pedir”, de forma arrogante, aos países africanos que se abstiveram de condenar os ataques da Rússia contra a Ucrânia que, recuem na decisão e fiquem ao lado do Ocidente.

Mas porque haveria África de o fazer? Vamos analisar as razões…

 

Longe da vista, longe do coração I

O Ocidente, ignorou a invasão do Haiti pelos EUA bem como o envio de 12 mil haitianos para as prisões de Guantánamo. Talvez tenha sido, porque eram “pretos” e foi no outro lado do mundo, afinal a Ucrânia é aqui ao lado…

O Ocidente, ignorou os assassinatos perpetrados pelos EUA que eliminaram, Marcus Garvey, líder dos Black Panther, por defender africanos contra a brutalidade policial, Malcolm X por defender o nacionalismo negro norte americano e o Rev. Martin Luther King Jr. por defender a igualdade de todos os cidadãos norte americanos. Talvez tenha sido, porque eram “pretos” e foi no outro lado do mundo.

O Ocidente, ignorou os assassinatos de Thomas Sankara do Burkina Fasso e de Patrice Lumumba do Congo, perpetrados pelos serviços secretos franceses e pela C.I.A. Talvez tenha sido, porque eram “pretos” e foi no outro lado do mundo.

O Ocidente, ignorou os assassinatos de Stephen Biko e de Solomon Mahlangu, perpetrados pelos líderes do apartheid com o apoio do EUA, por defenderem a autonomia da África do Sul. Talvez tenha sido, porque eram “pretos” e porque foi em África e África não seja importante.

O Ocidente, ignorou o assassinato de Muammar Al-Kaddafi, da Líbia. Talvez tenha sido, porque foi em África e África não seja importante.

 

Longe da vista, longe do coração II

Poderíamos dizer que o Ocidente não quer saber de África nem dos africanos, mas na realidade, também ignoram os “outros” que não lhes interessam. Mas não a Ucrânia, porque fica logo ali ao lado…

O Ocidente, ignorou as duas Guerras do Golfo, os 100 mil mortos diretos dessa guerra e outros 100 mil no Iraque “protegido”. Talvez tenha sido, porque foi no “outro lado do mundo” e eles não sejam importantes.

O Ocidente Ignorou a presença norte-americana durante 20 anos no Afeganistão e as 65 mil mortes que causaram. Talvez tenha sido, porque foi no “outro lado do mundo” e eles não sejam importantes.

O Ocidente ignorou o envolvimento, direto ou indireto, dos EUA na Síria, onde ocorreram mais de 400 mil mortes. Talvez tenha sido, porque foi no “outro lado do mundo” e eles não sejam importantes.

O Ocidente Ignora a ocupação da Palestina por Israel e os 21.500 mortos resultante desse conflito. Talvez tenha sido, por complexo de culpa devido ao holocausto e não se importam com o que eles façam.

O Ocidente ignorou as imensas guerras espalhadas pelo mundo com envolvimento direto ou indireto dos EUA que somam, em 30 anos, quase um milhão de mortos, a grande maioria civis. Talvez tenha sido, porque foram os americanos e aos olhos do Ocidente eles sejam “os salvadores do mundo”.

 

Longe da vista, longe do coração III

O Ocidente deixa apodrecer na cadeia, Julian Assange um verdadeiro herói que teve a coragem de se impor e denunciar as brutalidades das tropas americanas e da NATO.

O Ocidente ignorou o “suicídio” suspeito do cientista inglês David Kelly, ocorrido dois dias após ter deposto no parlamento, sobre a falsificação de provas da existência de armas de destruição maciça no Iraque

O Ocidente não se preocupou nem quis saber nada disto, porque não lhe diz respeito é um problema só dos EUA e o que importa agora é a guerra da Ucrânia, porque fica na Europa bem ali ao lado.

 

Próximo da vista, longe do coração

Podia-se dizer que, ao fim e ao cabo, o Ocidente apenas é egoísta porque só se preocupa com o que lhe acontece à porta, como no caso da Ucrânia, mas será?

O Ocidente ignorou a instigação e a participação da NATO nas guerras da Jugoslávia e os seus 150 mil mortos. Foi à porta de casa, então porque não se importaram?

O Ocidente ignorou a guerra do Donbass, na Ucrânia, que causou 13.000 mortos em 8 anos. Foi à porta de casa, então porque não se importaram?

O Ocidente ignorou, ignora e não quer saber que a NATO cerque as fronteiras da Russia  com misseis, tanques, barcos, submarinos, aviões e todo o tipo de armamento bélico e que constantemente executem exercícios militares nas suas fronteiras, afinal a NATO só está ali para “defender” a europa, por isso não importa que provoquem quem não é da “europa”.

 

O Ocidente sabe criticar e inventar desculpas

O Ocidente afirma que Putin é um ditador e que aplica a censura ao jornalismo independente, mas proibir as emissões do Russia Today para o Ocidente, já não é censura.

O Ocidente justifica todas as intervenções militares no resto do mundo com a necessidade de defender a democracia, o contexto histórico e sociológico das regiões, as tensões estruturais das economias locais, as rivalidades das religiões, as divisões tribais, as fronteiras mal definidas, a selvajaria dos ditadores locais, etc, etc.

Mas se Putin quando invadiu a Ucrânia, tendo ou não tendo razão, usar as mesmas desculpas, como usou, para o Ocidente as mesmas justificações já não são válidas. Então porquê?

 

O Ocidente e o respeito por África

O Ocidente colonizou, escravizou, explorou e retalhou África ao seu bel-prazer. Depois da independência dos países africanos, intrometeu-se e continua a intrometer-se na política interna e externa desses países.

O Ocidente, ajudou e protege todos os corruptos saídos de África, desde que lhes encham os bolsos de dinheiro e, quando os países africanos ficam endividados por causa desses corruptos, emprestam “esse dinheiro” a África, a juros exorbitantes.

O Ocidente nunca se preocupou em partilhar a sua tecnologia com África, sempre preferiu que África se limitasse a produzir para eles.

O Ocidente, não se preocupa com os desalojados das guerras em África, não é importante nem querem saber, mas se forem desalojados da guerra da Ucrânia, já é importante e querem saber, porque afinal “é ali ao lado”, e África fica muito longe, do outro lado do Mediterrâneo.

 

O que a Rússia fez e não fez por África

Ao contrário do Ocidente, a Rússia nunca se aproveitou do mercado de escravos, nunca teve colónias em África, nunca espoliou, saqueou ou se aproveitou dos recursos de África e nunca invadiu nem desestabilizou nenhum país africano.

Pelo contrário, a Rússia, ajudou os países africanos a combaterem a ocupação estrangeira e partilhou a sua tecnologia e os seus recursos com todos os países africanos que assim o pretenderam.

E depois, ainda há quem não perceba a diferença.

 

Conclusão

Agora com esta guerra, o Ocidente que colonizou e explorou África e que nem nos dias de hoje lhe dá valor, vem “intimidar” os países africanos que se abstiveram de condenar a invasão russa da Ucrânia, admirando-se depois, de esses países não os apoiarem de forma aberta, a eles, os “defensores da liberdade e da democracia”.

Ou seja, o Ocidente afirma que Putin e a Rússia, aqueles que sempre apoiaram África, são o “Bicho-papão” e por isso África deveria estar contra ele, mas ao que parece o Ocidente é completamente cego e estupido, ao não perceber que para África, eles são piores que o Diabo e que o Bicho-papão, ao pé do Diabo, não passa de um mero aprendiz.

Que esta “não ingerência africana” sirva de lição ao Ocidente e que aprenda que se gosta de quem te faz bem e se odeia quem não te quer bem.

Para terminar, um aviso… Não se esqueçam da citação que Robert Oppenheimer fez, do texto sagrado hindu Bhagavad-Gita, quando viu o culminar do seu trabalho. A explosão da primeira bomba atómica.

“Agora tornei-me a Morte, a destruidora de mundos”.

 

O que achas disto? África deve criticar a Rússia pela guerra na Ucrânia, ou deve manter-se afastada? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

Imagem: © 2022 Francisco Lopes-Santos

  • Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos. neste momento exerce as funções de Chefe de Redação da Mercados Africanos.

close

VAMOS MANTER-NOS EM CONTACTO!

Gostaríamos de lhe enviar as nossas últimas notícias e ofertas 😎

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.