Ruanda: start-up faz sapatos com pneus reciclados.

Ao reciclar pneus usados ​​em solas de sapatos, Ysolde Shimwe e Kevine Kagirimpundu querem contribuir para o desenvolvimento da reciclagem de resíduos no Ruanda.

A empresa delas, a Uzuri K&Y quer substituir peças de moda importadas por produtos locais e sustentáveis.

Em Gahanga, uma pequena vila localizada a poucos minutos de Kigali, capital de Ruanda, a empresa Uzuri K&Y instalou a sua fábrica para reciclar pneus usados ​​em calçados ecológicos.

Mais de 40 pessoas trabalham em toda a cadeia do processo de manufatura.

A empresa usa borracha nas solas, tecido biodegradável pintado com tintas naturais, couro vegetal sintético nas demais partes do calçado, além de adesivos naturais para montar o sapato.

Kevine Kagirimpundu e Ysolde Shimwe, as fundadoras, disseram à Forbes que lançaram o seu projeto em 2012 depois de notar que pneus usados eram deitados no lixo perto de bairros residenciais.

Na verdade, uma grande parte das emissões de gases de efeito estufa de Ruanda vem de aterros urbanos.

E perguntaram-se como poderiam ser a solução para este problema? A resposta foi a de decidirem colocar as suas habilidades em Design Criativo para fazer sapatos ecológicos.

Em dez anos, a Uzuri K&Y vendeu mais de 44 mil pares de sapatos até agora. Em 2020, o seu facturamento foi de 300 mil dólares.

Num contexto em que as sandálias de borracha são muitas vezes vistas como sapatos baratos ou antiquados de qualidade, a marca conseguiu substituir esta perceção pela ideia de sustentabilidade e teve muito sucesso principalmente com os turistas, apesar de terem enfrentado muitas dificuldades.

No início, Kevine Kagirimpundu e Ysolde Shimwe não tinham experiência nem mão de obra qualificada para a fabricação de calçados.

Em 2014, beneficiaram da orientação de um programa de empreendedorismo suíço com sede em Ruanda, que ajudou a sua marca a crescer.

Outro desafio é convencer os consumidores locais, não acostumados com a moda sustentável, a adotar o seu produto.

Durante a pandemia, perderam grande parte de seus clientes externos devido a medidas restritivas e ao encerramento das fronteiras.

Ao longo dos anos, conseguiram melhorar a imagem da sua marca e ganhar uma nova clientela de consumidores locais, usando modelos ruandeses e por meio das redes sociais.

Pequenos subsídios obtidos em concursos de empreendedorismo permitiram à dupla empresarial abrir várias lojas na capital, Kigali e lançarem uma nova linha de chinelos de casa.

Como sua marca já foi comprovada nacionalmente, Kevine Kagirimpundu e Ysolde Shimwe pretendem expandir o Uzuri K&Y para o Quénia, África do Sul e Tanzânia.

O Ruanda pretende tornar-se um país sem emissões de resíduos até 2050. As múltiplas medidas tomadas pelo governo para garantir a transição ecológica oferecem uma oportunidade para os empresários investirem em tendências verdes sustentáveis ​​que estão cada vez mais na moda.

Que tal esta start-up? O que pensas do Ruanda? Dá-nos a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.