Rwanda: Economia cresceu 11% em 2021.

O Rwanda recebeu a visita de uma equipa do Fundo Monetário Internacional (FMI) que apresentou as suas conclusões a 5 de Abril de 2022, que deixam entrever que a recuperação económica de Rwanda continua em alta, apesar dos riscos, segundo comunicado de imprensa lido por Mercados Africanos.

Em 2021, o PIB real do Rwanda registou um crescimento de 10,9%. Esta é a observação feita por uma equipa do Fundo Monetário Internacional (FMI) num comunicado de imprensa de fim de missão publicado na terça-feira, 5 de Abril, por ocasião de uma revisão do programa económico apoiado pelo instrumento de coordenação das políticas económicas (ICPE na sigla em Inglês) do Fundo.

Segundo a instituição, esta recuperação que se seguiu a uma contração de 3,4% da economia ruandesa deve-se a uma “rápida resposta política à pandemia, em particular uma campanha de vacinação acelerada”.

De acordo com o Centro Africano de Prevenção e Controle de Doenças (Africa CDC), Rwanda é de fato um dos países africanos que realizou uma das campanhas de vacinação mais bem-sucedidas.

Até 30 de março, 62,6% da população do país estava totalmente vacinada e 68,5% já recebeu uma dose da vacina anticovid. Soma-se a isso o levantamento gradual das medidas restritivas postas em prática para conter a circulação do vírus, mas cujo efeito perverso tem sido a desaceleração da atividade económica.

Apesar desta recuperação excecional, o FMI indica que para 2022, vários riscos continuam a pesar na economia, entre eles, o aumento dos preços dos alimentos e da energia, que já elevaram a inflação para 5,8% em fevereiro passado (2022).

“O ambiente global em rápida mudança e as consequências da guerra na Ucrânia representam desafios significativos para países ao redor do mundo, incluindo Rwanda e espera-se que afetem a recuperação económica do Rwanda, além dos efeitos persistentes da pandemia por meio da deterioração das condições externas, incluindo uma recuperação mais fraca do que o esperado entre os parceiros comerciais e novos aumentos nos preços internacionais de alimentos e energia”, diz o FMI, que também anuncia que quer rever para baixo as projeções de crescimento do país em relação à revisão anterior.

Segundo o FMI “as prioridades políticas imediatas são preservar a estabilidade orçamentária e financeira e mitigar o impacto do atual choque externo sobre os mais vulneráveis ​​[…] O Banco Nacional de Rwanda (NBR) deve estar pronto para tomar as medidas adequadas conter os efeitos da inflação, tendo em conta a evolução das perspetivas de crescimento”.

No entanto, os economistas do FMI realçaram que apesar dessas pressões, a instituição indica que Rwanda tem dado sinais de mitigar o impacto desses riscos em sua economia e os resultados fiscais do primeiro semestre ficaram em linha com as expectativas. Quanto à taxa de câmbio do franco ruandês, manteve-se estável e as atuais reservas cambiais permitem cobrir mais de 4 meses de importações.

“Dada a incerteza económica devido à guerra na Ucrânia, as discussões de acompanhamento serão necessárias nas próximas semanas”, disse o FMI.

 

O que achas do Rwanda? É mais um país refém do FMI? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”

Imagem: © 2020 IMF
close
pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.