Shopa, uma start-up em apoio ao comércio informal.

Shopa foi criada em Agosto de 2020 após identificar os desafios enfrentados pelos retalhistas informais no seu processo de reabastecimento e a sua incapacidade de acesso ao crédito, a aplicação utiliza ferramentas digitais e uma rede de entrega integrada para ajudar retalhistas informais a reabastecer no prazo de quatro horas, sem sair das suas lojas.

“O aprovisionamento do inventário para os retalhistas informais por parte dos fornecedores significa custos adicionais de transporte, perda de receitas quando a solução é reabastecer no mercado local e falta de acesso a microcrédito por falta de confiança nos retalhistas”

Estes foram alguns dos desafios identificados pelos fundadores da Shopa, entre eles, Michael Hammond, que serviram de motivos suficientes para verem a necessidade de uma redefinição da distribuição retalhista no continente africano.

A app pretende resolver estes problemas, permitindo aos proprietários das lojas fazer encomendas via SMS, WhatsApp ou diretamente na aplicação e ter as mercadorias entregues diretamente nas suas lojas.

Até agora, a Shopa ajudou mais de 2.000 clientes a fazer quase 14.000 transações.

O objetivo é continuar a crescer.

“Estamos, neste momento, a operar no Gana e há planos de expansão para outros países africanos”, diz Hammond.

Há capital disponível para acelerar essa expansão.

A start-up ganha dinheiro com comissões sobre os produtos comercializados por meio de sua plataforma, bem como com o crédito concedido aos seus clientes por meio de terceiros.

Hammond disse que a Shopa está confiante em conquistar uma parte do mercado para si mesma num espaço cada vez mais movimentado.

“Os distribuidores e grossistas tradicionais são os nossos concorrentes potenciais. Outras start-ups, como TradeDepot, Alerzo, Omnibiz, Sokowatch e Boost Technology na Nigéria, Quénia e Gana, respetivamente, estão a fazer coisas semelhantes”, disse ele.

“No entanto, esta indústria é enorme e, juntos, somos os pioneiros num novo modelo de distribuição”, acrescentou confiante.

O que achas disto? Esta explosão do comércio online em África é benéfica? Dá-nos a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.