Surpresa: José Eduardo dos Santos de regresso a casa

O ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos regressou nesta terça-feira, 14 de setembro 2021, ao seu país.

Supomos que só os familiares, os próximos do poder angolano e poucos mais saberiam deste regresso.

Apesar de ter imunidade garantida pela Constituição até ao final de 2022, José Eduardo do Santos demonstrou coragem ao regressar, outros provavelmente, não o teriam feito.

A sua filha Isabel, a mais velha dos irmãos, a primeira bilionária africana e ex-presidente da Sonangol, a companhia petrolífera nacional angolana, tem questões pendentes com a justiça do seu país, que a acusa de predação e saque de recursos petrolíferos e os seus ativos empresariais estão congelados desde 2019 e nunca mais voltou a Angola desde então.

O seu filho, José Filomeno, cumpre uma pena de cinco anos de prisão por desvio de fundos públicos enquanto chefe do Fundo Soberano de Angola, entre 2013 e 2018.

José Eduardo dos Santos, regressou ao país com o seu sucessor, João Lourenço, a lançar uma luta anticorrupção dirigida às pessoas que lhe são próximas e, em particular, aos seus familiares.

Depois de uma estadia de quase dois anos e meio em Barcelona, ​​Espanha, para onde se deslocou oficialmente por motivos de saúde, o regresso do ex-presidente angolano, suscita, no mínimo curiosidade, mas sobretudo muitas interrogações.

Porquê e para quê esse retorno a casa em semelhante contexto? E por quanto tempo? José Eduardo dos Santos voltou ao seu país – que governou durante 38 anos – para aí passar o resto da vida?

Ou será que ele veio negociar um acordo com o seu sucessor para si mesmo – já que poderá ser processado quando sua imunidade expirar – ou para a sua família?

É possível que com o aproximar das eleições, em 2022, o regresso de Eduardo dos Santos possa ser uma estratégia do MPLA para fortalecer o partido antes do congresso marcado para dezembro 2021? E logo, uma subsequente reconciliação com João Lourenço?

Na qualidade de antigo Chefe de Estado, José Eduardo dos Santos goza, pela constituição angolana, de uma imunidade que o protege de qualquer processo criminal durante os cinco anos primeiros anos, após a sua saída do poder.

Portanto, pessoalmente, nada a temer da justiça do seu país pelo menos até ao final de 2022.

Quanto às respostas às perguntas que nos colocamos, elas serão, seguramente, conhecidas muito em breve.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite aqui o seu nome


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.