Terminou a reunião ministerial União Africana – União Europeia.

Conclui-se nesta terça-feira, 26 outubro 2021, no Ruanda, a reunião ministerial da União Africana e da União Europeia, que na sua segunda edição, reuniu mais de 500 participantes, incluindo 68 ministros dos Negócios Estrangeiros, para ponderar, entre outros, formas de consolidar as parcerias europeias e africanas.

Aqui estão os cinco pontos mais importantes, que saíram no final do encontro:

1. Resposta à pandemia

A resposta à pandemia é uma área em que a África e a Europa precisam e têm de fazer melhor em conjunto, segundo Josep Borrell, Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Segurança.

Embora não tenha sido tão global quanto ele teria desejado, Borell disse que quando a pandemia começou, a Europa foi o primeiro continente a colocar em prática um mecanismo para mostrar sua solidariedade com o mundo, em particular com a África.

“Colocando em prática os mecanismos para salvar nosso próprio povo, trabalhamos em paralelo para garantir que essa resposta fosse global. A nossa contribuição de mais de 3 mil milhões de euros para a instalação da COVAX aumentou que se partilhassem doses de vacinas com os países africanos (talvez não tanto quanto o necessário)”, disse ele.

“A implementação tem sido mais lenta do que o esperado e a lacuna de vacinações em África em comparação com a Europa é significativa. A lacuna é muito grande. Portanto, precisamos fazer melhor – juntos – para colmatar essa lacuna. E precisamos fazer isso rapidamente”, acrescentou.

2. Construção da fábrica de vacinas marcada para meados de 2022

O Ruanda poderá em breve ter uma das principais fábricas do continente para vacinas, graças a um memorando de entendimento assinado com a BioNTech na terça-feira, 26 de outubro 2021, em Kigali.

Segundo o acordo, a instalação multibilionária será baseada na zona económica especial do país, Gasabo District, e está configurada para começar com uma capacidade de produção de 50 milhões de doses de vacina.

“Ruanda está empenhado em trabalhar com a União Africana, a União Europeia, a BioNTech e outros parceiros de tecnologia para tornar isso uma realidade o mais rápido possível”, observou o Ministro da Saúde do Ruanda, Daniel Ngamije.

3. Construir melhor e mais verde

Ao combinar recursos com experiência e vice-versa, a Europa e a África podem tornar-se campeãs do crescimento sustentável global.

Esse crescimento sustentável global tem dois motores, de acordo com Borrell. Uma transição para uma economia verde, circular e neutra para o clima e uma transformação digital.

Num mundo pós-Covid, a prioridade deve ser a promoção de programas de estímulo económico e a mobilização de investimentos públicos e privados com alto efeito multiplicador para a recuperação económica e a criação de empregos.

“Reconstruir mais verde, mas também reconstruir melhor, colocando as pessoas no centro de nossas políticas e ações, tornando as mulheres e os jovens parte integrante da equação”, disse ele.

4. Pensar para além do curto prazo

Para o Ministro ruandês dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional, é importante que a África e a Europa comecem a pensar além do imperativo de curto prazo, a fim de enfrentar os desafios estruturais de médio a longo prazo que irão garantir uma parceria mais forte e igualitária.

A plataforma, disse ele, levará a etapas tangíveis que fortalecerão significativamente a cooperação para o benefício do povo.

5. Apelo à paz e ao Sudão

Durante a conferência de imprensa, ambos os líderes expressaram consternação com a atual situação no Sudão, apelando à retomada das consultas entre civis e militares, com estrito respeito pelos direitos humanos e libertação de todos os líderes políticos detidos.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.