TLMs fabricados no Ruanda vendidos em Angola.

A Mara Phones, uma empresa fabricante de telemóveis do Ruanda, assinou um contrato com a empresa Angolana MISALEI – Comércio e Prestação de Serviços, para a distribuição de telefones em Angola, segundo o diretor geral da fabricante ruandesa de smartphones, Eddy Sebera.

“Assinamos um MOU de parceria com a MISALEI – Comércio e Prestação de Serviços, para distribuição de telefones em Angola”, disse Taarifa Eddy Sebera, Diretor Executivo da empresa.

O acordo foi assinado durante um fórum de negócios com empresas privadas do Ruanda e de Angola, organizado pelo Conselho de Desenvolvimento do Ruanda. Dirigindo-se ao fórum, Eduardo Filomeno Leiro Octávio, Embaixador de Angola no Ruanda, apelou ao sector privado dos dois países para que aproveitasse as relações existentes de forma a explorar oportunidades de investimento.

A empresa planeia lançar uma próxima geração de telefones até meados de 2022.

A primeira fábrica de smartphones em África abriu as suas portas em Kigali em Outubro de 2019 com o objetivo de se tornar uma marca líder em todo o continente. A empresa compete com a Samsung, cujo smartphones mais baratos custam 50.000 Rwf (Francos ruandeses) ou sejam (54 dólares).

A empresa é uma subsidiária do Grupo Mara, do empresário Ashish J. Thakkar.

O acordo foi assinado recentemente durante um fórum empresarial com empresas privadas de Ruanda e Angola promovido pelo Rwanda Development Board.

O fórum foi coroado por uma sessão de networking com grupos empresariais dos setores de telecomunicações, TIC, agronegócio, construção, mineração e serviços financeiros

Falando no fórum, Eduardo Filomeno Leiro Octávio, Embaixador de Angola no Ruanda, apelou ao sector privado dos dois países para que aproveite as excelentes relações existentes para explorar oportunidades de investimento.

“A MISALEI – Comércio e Prestação de Serviços, visitou a fábrica para entender como fabricamos e montamos outros componentes necessários aos smartphones”, disse Sebera.

Angola quer assumir esta Iniciativa do Orgulho Africano e agradeceu ao Ruanda pelo pioneirismo neste projeto que leva a África ao Mundo Digital.

Enquanto isso, o Mara Phones opera atualmente com 20% da capacidade devido à lenta resposta do mercado durante a pandemia e à crise económica em 2020 e 2021.

“As coisas estão a melhorar e a maioria dos países está a reabrir”, observou Sebera, acrescentando que “exportamos os nossos telefones para 76 países (África e o resto do mundo) enquanto a empresa cresce continuamente”. “Estamos felizes com o avanço do Mercado Interno.”

O que pensa sobre isto? O Ruanda estará mais avançado, tecnologicamente, do que os outros países africanos? Dá-nos a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.